Estatística

Jovem que morreu afogado após cair de moto aquática é a 70ª vítima no Tocantins em 2020

Rapaz completaria 28 anos no final de dezembro.

Por Redação 926
Comentários (0)

02/12/2020 09h49 - Atualizado há 1 ano
Mergulhadores tentam encontrar vítima de afogamento no lago em Palmas

O Tocantins somou no último domingo, 29 de novembro, o total de 70 mortes por afogamento em 2020. O derradeiro registro teve Marcelo Ribeiro dos Santos como vítima. O rapaz completaria 28 anos no final de dezembro. Ele caiu no lago da Usina Luís Eduardo Magalhães, na porção pertencente à zona rural de Miracema, quando fazia manobras com uma moto aquática. Testemunhas afirmam que ele estava sem o colete salva-vidas.

Segundo mergulhadores do Corpo de Bombeiros Militar, a vítima foi encontrada cerca de 70 metros do local onde se afogou. As ações de resgate ocorreram nesta segunda-feira, 30 de novembro, durante toda a manhã. O rapaz foi localizado por volta das 11h40.

Estatísticas

O mês de novembro fechou com cinco óbitos por afogamentos em várias partes do Tocantins. Contudo, no total dos onze meses, as estatísticas confirmam 70 óbitos. O mês com maior quantidade foi setembro, que somou 13 mortes.

O segundo maior número de casos foi em abril, com onze. Julho vem em seguida com oito. O ano começou com sete afogamentos em janeiro.

O major Antônio Luiz Soares da Silva, gerente de monitoramento da Defesa Civil Estadual, alertou para o perigo de pilotar embarcação sem colete salva-vidas. “Aqui, na região de Palmas, a gente não vê as pessoas pilotando sem o colete, mas às vezes, muitos se afastam um pouco e acabam se arriscando. Isso não é seguro. O correto é estar de colete salva-vidas sempre”, afirmou.

A importância do uso do equipamento de segurança é retratada nos números. Segundo os dados do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil Estadual, de todas as vítimas mortas por afogamento, 15 estavam em embarcação sem os coletes salva-vidas.

“Caso essas vítimas estivessem com coletes, arriscamos a dizer que nenhuma teria ido a óbito, pois não temos nenhum registro de pessoas com coletes e que tenha se afogando”, relata o coordenador de monitoramento.

Outro ponto que chama a atenção são bebidas alcoólicas. Segundo as estatísticas, 23 pessoas (48% do total de mortos) estavam alcoolizadas quando se afogaram. E isso faz a Defesa Civil lançar um alerta para as festividades de fim de ano, principalmente para quem já planeja passar o natal ou a virada nas margens de rios, represas ou no lago

“Ao entrar na água, toda criança deve ficar assistida por um responsável. Elas não podem tomar banho sozinhas, mesmo monitoradas. A máxima distância que ela pode ficar do adulto é um braço. E quem estiver nas embarcações para alguma travessia, precisa estar com colete salva-vidas e não consumir bebida alcoólica”, pontuou o major Soares.

As recomendações de cuidados valem também para quem se arrisca saltar na água a partir de locais mais elevados, ou se afastam das margens tentando travessias a nado. “Nosso conselho é que essas práticas sejam evitadas por questões de segurança. Algumas mortes foram registradas neste ano durante atividades dessa natureza”, concluiu o major.

Mergulhadores observam rio antes da ação de buscas
Equipes do Corpo de Bombeiros Militar em operação de buscas

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.