Passado

Moradora conta histórias de Araguaína e lembra que areia no centro da cidade 'dava no meio da canela'

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

04/02/2017 08h35 - Atualizado há 2 anos
Vinda de terras maranhenses, Dona Ermínia Araújo de Andrade, chegou com a família para desbravar o então Norte Goiano, na pequena cidade de Araguaína. Numa visão da cidade contata por seus próprios moradores, ela fala das mudanças e do crescimento da cidade diante dos seus olhos e conta com entusiasmo: “Todos que moram aqui amam Araguaína”. O ano da grande mudança foi 1952. Mato, areia, poucas casas, era o que encontrou na sua chegada. Hoje, a realidade é outra. “Tudo mudou, a cidade agora é grande, tem de tudo, mas antes, faltava quase tudo”, comentou. O antes Com os olhos relembrando o passado, Dona Ermínia conta que a rua onde mora atualmente, a Avenida Prefeito João de Sousa Lima, era apenas areia e tinha apenas nove casas. “A areia dava no meio da canela, aí você pensa como era difícil andar por aqui quando cheguei”, relembrou. A aposentada conta que as ruas melhores eram a Avenida Cônego João Lima e a Primeiro de Janeiro. “E olha que nem eram asfaltadas ainda”, disse. “A Rua Souza Porto era a rua do comércio”, completou. Dona Ermínia ainda comentou que naquela época se via nas ruas e nos quintais das casas os porcos queixadas. “Os porcos queixadas invadiam as ruas, as casas, correndo, porque praticamente era mato”, disse. Ainda segundo a aposentada, a atual Igreja São Sebastião, que fica perto da sua casa, foi construída inicialmente por um homem que vendia arroz na época. “Ele era conhecido como o Seo Tenten, por isso a igreja ficou conhecida por Igreja do TenTen”, explicou. Feira Dona Ermínia também lembra que a feira da cidade ficava onde hoje é a Praça das Bandeiras. “Tinha um pé de Arapiraca e as pessoas se reuniam ali para vender os seus produtos e os moradores iam comprar. Hoje já temos vários supermercados e o nosso Mercado Municipal, além de feiras em setores diferentes”, comentou. Aeroporto Outra lembrança que a Dona Ermínia conta é que na Vila Aliança tinha um campo de futebol e que depois passou a ser uma pista de aeroporto para aviões de pequeno porte. “Eles seguiam para Carolina, no Maranhão, onde na época era o centro de compra de Araguaína”, contou. Saúde Outro ponto que a Dona Ermínia se lembra era que antigamente quase não havia profissionais na área da saúde. “Tinha o Barroso, que era farmacêutico, e também a gente considerava o médico da cidade, porque atendia todo mundo da região. Também tinha a enfermeira Wanda, que também fazia partos, era a parteira da cidade e dos povoados vizinhos, e as pessoas também a consideravam como médica”, relembrou. “Agora temos vários hospitais. Um avanço para todos. Até gente de fora vem para cá para fazer tratamento e tudo”, contou a aposentada. “Araguaína cresceu muito. O comércio, a saúde, educação, tudo. Uma cidade que virou espelho para outras da região”, finalizou Dona Ermínia. (Joselita Matos)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.