ATM

Prefeitos do Tocantins participam de ato em Brasília, e Bolsonaro garante apoio à PEC 122

PEC evita a criação de qualquer despesa aos Municípios sem fonte de recursos.

Por Redação 672
Comentários (0)

05/07/2022 17h42 - Atualizado há 2 anos
Líderes municipalistas reunidos com presidente Bolsonaro

Prefeitos e prefeitas de todo o Tocantins estão em Brasília nesta terça-feira (5) para participar da Mobilização Municipalista contra “pautas bombas” – assim denominadas pelos gestores – que estão em tramitação no Congresso Nacional, e que devem onerar os municípios em R$ 73 bilhões. Os valores são referentes à redução de receitas, aumento de despesas e liminares que impedem redistribuição de recursos.

Os prefeitos do Tocantins foram mobilizados pela Associação Tocantinense de Municípios (ATM). O presidente da ATM e prefeito de Talismã, Diogo Borges, esteve presente e participou dos diversos momentos que compuseram o ato municipalista em Brasília, como a reunião do Conselho Político da Confederação Nacional de Municípios (CNM), entidade que organizou a mobilização na capital federal.

Além disso, Diogo Borges participou de reunião com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e demais presidentes das entidades municipalistas, liderados pelo presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

PEC 122/2015 

A aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 122/2015 é considerada prioridade absoluta das demandas do movimento municipalista. A PEC evita a criação de qualquer despesa aos Municípios sem a União definir a fonte de recursos. Nesse sentido, essa foi a principal pauta apresentada ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que se comprometeu em apoiar a aprovação dessa Proposta.

“O parlamentar que se candidatar a governador ou prefeito daqui dois anos vai sentir na pele o que vocês passam. E não é fácil enfrentar o que vocês enfrentam e o que eu enfrento aqui com teto de gastos”, disse Bolsonaro.

Segundo a CNM, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Célio Farias Junior, afirmou que até o fim da tarde de hoje o governo vai analisar uma pequena alteração no texto sem modificar o mérito, permitindo que a proposta seja aprovada no Plenário da Câmara e promulgada em seguida. A PEC 122/2015 aguarda apenas a votação no Plenário da Câmara.

ATM

“Há projetos no Congresso Nacional e votações no Supremo Tribunal Federal de matérias que trazem prejuízos aos cofres dos Municípios de todo o Brasil. Nosso ato político visa alertar e lembrar os agentes que decidem em Brasília a importância de zelar pelo Pacto Federativo e a relação entre os entes. Somos nós que estamos na ponta, que sentimos as consequências financeiras e as pressões da comunidade por produtos e serviços públicos. A posição dos municipalistas deve e precisa ser acatada por quem decide em Brasília”, disse o presidente da ATM.

Pautas

As pautas que mais preocupam os municipalistas referem-se as propostas que estabelecem reajustes de pisos salariais de diversas categorias, principalmente da Saúde.

“Não somos contra os pisos, mas é necessário estabelecer a fonte de custeio”, disse o presidente da CNM em reunião com os prefeitos na sede da entidade. A Confederação calcula o montante de R$ 2 bilhões de custo para as gestões locais com o pagamento dos pisos dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias. “Atualmente, estamos trabalhando conjuntamente com o Congresso para viabilizar o pagamento do piso da enfermagem”, emendou.

O presidente da ATM disse que os prefeitos presentes estabeleceram consenso no sentido dos Municípios somente concederem aumento do Piso do Magistério quando houver a definição de dispositivo legal sobre esse ponto. Ainda, os gestores ouviram do presidente da CNM que a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) pode gerar impacto de R$ 6,7 bilhões no FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e que as reduções do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) acarretará em uma perda anual de cerca de R$ 80 bilhões aos cofres estaduais e municipais.

Ainda segundo a CNM, apenas de impacto imediato já são R$ 73 bilhões. Caso também sejam aprovadas pautas que estão em tramitação ou análise nos Três Poderes, o impacto pode chegar a R$ 250,6 bilhões. 

(Com informações da CNM). 

Presidente da ATM com prefeitos na sede da CNM em Brasília

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.