Contrato da Odebrecht

Reajuste de 12,77% na tarifa de água é ilegal, diz deputado ao questionar contrato

Por Redação AF
Comentários (0)

30/03/2017 09h38 - Atualizado há 1 semana
As contas de aguá com vencimento neste mês de abril já estarão com reajuste de 12,77%. O acréscimo vale para 47 municípios tocantinenses onde a concessão dos serviços de água e esgoto foi repassada à empresa Odebrecht Ambiental|Saneatins. Mas a polêmica sobre o assunto, que se repete todos os anos, está longe de terminar. Nesta quarta-feira (29), na Assembleia Legislativa, uma audiência pública convocada pela Comissão de Administração, Trabalho, Defesa do Consumidor, Transporte, Desenvolvimento Urbano e Serviço Público, discutiu o discutiu o assunto na presença do presidente da Agência Tocantinense de Regulação (ATR), Jota Patrocínio, responsável por autorizar o reajuste. Sob uma saraiva de críticas, Jota Patrocínio disse que a metodologia do aumento é uma fórmula composta do reajuste baseado na inflação e da revisão da tarifa para cobrir desequilíbrios causados à prestadora de serviço durante a vigência do contrato. Os parlamentares protestaram veementemente contra o que entenderam se tratar da transferência do ônus do investimento para o cidadão tocantinense. Para o deputado José Bonifácio (PR), a "palavra final" sobre a tarifa de água é dos municípios, não da ATR, cuja função é apenas propor um aumento, conforme a emenda constitucional nº 30/2016 aprovada por esta Casa de Leis. Porém, os municípios não opinaram em nada sobre o reajuste. Bonifácio também criticou a ausência de licitação na terceirização do saneamento. Ele acusou a Odebrecht Ambiental de pressionar e corromper prefeitos e vereadores, desmontar a Saneatins, com a dispensa de dois mil trabalhadores, e extorquir o cidadão com aumentos abusivos. O deputado pediu ainda que a Associação Tocantinense de Municípios (ATM) auxilie prefeitos na criação de conselhos para reassumir o poder que, para ele, tem sido exercido pela Odebrecht. Por sua vez, o presidente da ATR defendeu-se com um discurso de independência. Ele citou decisões que, segundo disse, contrariaram a Odebrecht, como a separação futura das tarifas de água e de esgoto na conta. Patrocínio disse ainda que a empresa solicitou um aumento ainda maior que o concedido e que, a partir dos próximos anos, será a ATR, não uma auditoria independente, que vai apurar os pedidos de revisão da prestadora de serviço. Outro tópico discutido foi o subsídio cruzado, mecanismo pelo qual a renda gerada pelos municípios mais ricos é usada para custear investimentos nos mais pobres. “Ao conceder à Odebrecht o saneamento das maiores cidades do Tocantins e assumir o serviço nos demais municípios, o Estado passou o ônus ao cidadão e deixou o bônus para a empresa. Essa prática é inconstitucional”, justificou Bonifácio. Uma nova reunião ainda sem data marcada entre deputados e o presidente da Agência Tocantinense de Regulação foi sugerida ao fim da audiência pública.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.