Sinpol goiano: gesto "imoral e mesquinho" do Governo do TO

Por Redação AF
Comentários (0)

17/03/2015 18h25 - Atualizado há 3 semanas
<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br /> <br /> O Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goi&aacute;s repudiou, em nota, a atitude do governo do Estado de determinar, por meio de portaria, que os policiais civis do Tocantins em greve entregassem as armas e demais equipamentos usados em trabalho. A portaria conjunta 001/2015, publicada na sexta-feira, 13, no Di&aacute;rio Oficial do Estado, foi assinada pelos titulares das secretarias de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica e Defesa Social.<br /> <br /> <em>&quot;&Eacute; inadmiss&iacute;vel que uma categoria de t&atilde;o suma import&acirc;ncia possa ser subjugada a t&atilde;o mesquinho e desrespeitoso ato de imoralidade e irresponsabilidade da administra&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica estadual&quot;</em>, diz um trecho da nota.<br /> <br /> O Sinpol de Goi&aacute;s diz ainda que se coloca&nbsp;</span><span style="font-size:14px;">absolutamente contr&aacute;rio a um governo que &quot;unilateralmente ataca, julga e se indisp&otilde;e com seus servidores&quot;, a pretexto de se tratarem de uma &quot;categoria insurgente&quot;.</span><br /> <br /> <span style="font-size:14px;">O sindicato goiano ressalta ainda que a preserva&ccedil;&atilde;o da ordem p&uacute;blica</span><span style="font-size:14px;">&nbsp;&quot;somente ser&aacute; estabelecida com o rec&iacute;proco respeito&quot;.</span><br /> <br /> <span style="font-size:14px;">Em apenas dois dias, cerca de 85% dos policiais civis j&aacute; entregaram suas armas, atendendo a determina&ccedil;&atilde;o do governador Marcelo Miranda.&nbsp;</span><span style="font-size:14px;">Mesmo sem estar em greve, v&aacute;rios delegados do Estado tamb&eacute;m j&aacute; entregaram suas armas. Com isso, nem os flagrantes est&atilde;o sendo recebidos nas Delegacias.&nbsp;</span><br /> <br /> <span style="font-size:14px;">Em greve&nbsp;h&aacute; 20 dias, os policiais protestam contra a suspens&atilde;o, por decreto, dos efeitos da lei n&ordm; 2.851/2014, que&nbsp;</span><span style="font-size:14px;">faz o alinhamento das carreiras ao n&iacute;vel superior, deixando um s&oacute; n&iacute;vel em toda a corpora&ccedil;&atilde;o.</span><br /> <br /> <span style="font-size:14px;"><u><strong>Greve</strong></u><br /> <br /> A greve come&ccedil;ou no dia 25 de fevereiro e, segundo o presidente do Sinpol, Moisemar Marinho, vai continuar enquanto n&atilde;o houver uma proposta concreta do governo do Estado para restabelecer as conquistas arrancadas pelo decreto.<br /> <br /> Conforme a categoria, a lei suspensa regulamenta conquista hist&oacute;rica dos policiais civis, com o alinhamento da carreira de cerca de 1,3 profissionais. O alinhamento foi promovido pelo pr&oacute;prio governador Marcelo Miranda em 2007, na sua pen&uacute;ltima gest&atilde;o. Por&eacute;m, s&oacute; foi regulamenta&ccedil;&atilde;o da conquista se arrastou por todos os governos seguintes e s&oacute; veio a ocorrer em abril do ano passado, para ter efeitos financeiros parcelados em quatro vezes a partir de 2015.<br /> <br /> A parcela de 2015 do alinhamento corresponde a apenas 1% da folha de pagamento do Estado e representa cerca de 21% do que o Estado tem para gastar com o pagamento de sal&aacute;rios de cargos comissionados.</span><br /> <br /> <span style="font-size:14px;"><u><strong>Confira a &iacute;ntegra da nota do Sinpol-GO:</strong></u><br /> <br /> <em>&quot;O SINPOL-GO vem a p&uacute;blico repudiar as a&ccedil;&otilde;es e manifesta&ccedil;&otilde;es atuais do Governo do Estado do Tocantins, no que concerne &agrave;s determina&ccedil;&otilde;es contidas no Di&aacute;rio Oficial n. 2.336, de 13/03/2015, dos ent&atilde;o Secret&aacute;rios de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica e de Estado da Defesa e Prote&ccedil;&atilde;o Social daquele Estado. &Eacute; inadmiss&iacute;vel que uma categoria de t&atilde;o suma import&acirc;ncia possa ser subjulgada a t&atilde;o mesquinho e desrespeitoso ato de imoralidade e irresponsabilidade da administra&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica estadual. &Agrave;s entidades classistas cabe perseverar na preserva&ccedil;&atilde;o de direitos de suas respectivas categorias. Portanto, nos colocamos absolutamente contr&aacute;rios a um governo que unilateralmente ataca, julga e se indisp&otilde;e com seus servidores, a pretexto de alegarem se tratarem de uma categoria insurgente, determinando por consequ&ecirc;ncia a entrega de suas ferramentas de trabalho. &Eacute; preciso preservar a ordem p&uacute;blica, e esta somente ser&aacute; estabelecida com o rec&iacute;proco respeito.<br /> <br /> SINPOL-GO LIVRE E TRANSPARENTE&quot;</em></span><br />
ASSUNTOS

Comentários (0)

Mais Notícias

De Figueirópolis

Professor do Tocantins vence prêmio nacional com projeto sobre esportes

O objetivo do prêmio é reconhecer o trabalho dos professores que contribuem para a qualidade da educação básica.

Investigação

PF prende médico no Tocantins em operação que investiga corrupção na Saúde

Mandados também estão sendo cumpridos em São Luís (MA), Imperatriz (MA), Parauapebas (PA), Brasília (DF) e Goiânia (GO).

Estado

Bunge Açúcar e Bioenergia abre vagas para jovens engenheiros no Tocantins

As inscrições vão até o dia 9 de novembro.

Nesta quinta, 18

Vagas de emprego para manicure, mecânico, porteiro, zelador e vendedor

As vagas são para todos os níveis de escolaridade e estão distribuídas em nove cidades do Estado.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.