Tocantins

SSP publica 1º relatório dos delegados do Tocantins, muitos com zero de produtividade

O relatório contabiliza os inquéritos instaurados e relatados, procedimentos instaurados e medidas cautelares.

Por Redação 1.399
Comentários (0)

19/06/2019 08h45 - Atualizado há 5 meses
Sindepol diz que relatório está 'absurdamente errado'

A Secretaria da Segurança Pública do Tocantins (SSP) publicou no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (18), o primeiro relatório de produtividade dos delegados de polícia. O Relatório de Atividades Funcionais (RAF) foi instituído através da Portaria n. 573, de 23 de maio de 2019, e estabelece a publicidade trimestral do número de procedimentos concluídos.

Conforme a SSP, essa prática já acontece com outras carreiras oficiais, como integrantes do Ministério Público e do Poder Judiciário e atende às diretrizes de uma gestão pública baseada em evidência e orientada por resultados.

O Governo disse que, além do Relatório, outras ações e projetos estão inseridos neste novo conceito de gestão, como o Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social visando à construção conjunta de políticas na área; a instituição do Conselho Estadual de Segurança Pública – CONESP / TO, com função consultiva, sugestiva e de acompanhamento social das atividades de segurança pública e defesa social, com a finalidade de propor diretrizes para as políticas públicas de prevenção e à repressão da violência e da criminalidade no estado; e o Programa de Modernização da Segurança Pública, com foco também na modernização da Polícia Civil.

“Nosso enfoque é a efetividade e o avanço nas políticas e projetos de segurança pública para o Tocantins. E, para isso, é necessário um diagnóstico para o planejamento e execução de ações eficientes. O Relatório apresentado hoje é uma parte do leque de dados sobre a estrutura de nossos órgãos e atuação de nossos profissionais, que trabalham a serviço da satisfação das necessidades de nossa população. Dentro desse contexto, estamos capacitando nosso efetivo e ouvindo suas sugestões e demandas”, ressalto o secretário Cristiano Sampaio.

Desde a última sexta-feira (14), a SSP está fazendo a aplicação de três questionários aos policiais civis do Tocantins, buscando avaliar as condições das unidades de trabalho e levantar informações sobre estrutura, materiais e necessidades diárias de cada servidor. Os Questionários podem ser acessados por e-mail ou virtualmente, pelo celular ou tablet. 

RELATÓRIO

O relatório contabiliza os inquéritos instaurados e relatados, procedimentos instaurados e medidas cautelares cumpridas, como busca e apreensão, prisões temporárias e preventivas, quebra de sigilo e outras. 

Muitos delegados aparecem com zero de produtividade em quase todos os quesitos. O titular da delegacia de combate à corrupção, a Draccma, Guilherme Rocha Martins, por exemplo, aparece com zero em todos os quesitos.  

Na DEIC Norte de Araguaína, delegacia que comanda a Operação Catarse que investiga servidores fantasmas nos órgãos públicos, os delegados José de Anchieta Menezes e Bruno Boaventura pontuam com apenas três procedimentos cada um.  

A reportagem cita como exemplo essas duas delegacias por terem sido as de maior destaque ultimamente em razão das operações deflagradas. O relatório completo está entre as páginas 15 e 21 do Diário Oficial do Estado desta terça-feira (18)

SINDEPOL CRITICA

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins (Sindepol) divulgou nota manifestando "indignação" em relação ao Relatório e disse que os números publicados estão "absurdamente errados, não condizendo com a realidade do trabalho desempenhado pelos Delegados em prol da sociedade". 

"Praticamente a totalidade dos números publicados não condiz com a realidade, chegando ao absurdo de se atribuir produtividade 0 (zero) a inúmeros Delegados. O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Tocantins não pode admitir a exposição negativa da classe baseada em números não condizentes com a realidade", diz a nota. 

O Sindepol cita também que “a planilha não contempla aquelas Autoridades Policiais que se encontrem em cargos de direção, chefia ou à disposição de Sindicado ou Associação”, entretanto na publicação consta o nome de Delegados licenciados para o exercício de mandato classista com produtividade 0 (zero) e deixa de fora apenas os que se encontram em cargos de direção.

O sindicato disse que tomará "todas as providências cabíveis" para que haja correção e retratação à classe em razão do que chamou de "lamentável manipulação da realidade".

"A sociedade tocantinense vê diariamente nas ruas e nos meios de comunicação a eficácia do trabalho da Polícia Civil do Tocantins no combate à criminalidade em todas as esferas e sabe que os Delegados atravessam hoje sua fase de maior produtividade no estado", finalizou.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.