Seet
Sobral – 300×100

Vereadores têm entrevista censurada em rádio devido a ‘forças ocultas e superiores’

Redação - |
Foto: Divulgação
Vereadores são censurados em rádio

Cinco vereadores de oposição ao prefeito Adriano Rabelo (PRB), em Colinas do Tocantins, teriam sido censurados pela emissora de rádio Líder FM. 

O grupo daria entrevista sobre as alterações e novas taxas instituídas no Código Tributário Municipal pelo atual gestor, às 10h30 desta segunda-feira (02), mas foi informado 30 minutos antes que o espaço não poderia ser concedido a eles devido a ‘forças ocultas’.

Indignados, os vereadores Leandro Coutinho (PT), Marceli Rodrigues (PT), Ivanilson Maranhão (PT), Romerito Guimarães (PT) e Raimundinha Almeida (PSD), procuraram o AF Notícias para denunciar o ocorrido.

Segundo o parlamentar Leandro Coutinho, na semana passada, o prefeito e seus vereadores aliados estiveram na mesma emissora falando sobre a implantação da taxa do lixo, a readaptação da taxa de iluminação pública e também as novas tarifas para os comerciantes.

Esta semana, os vereadores apresentariam seu ponto de vista a respeito das alterações no código tributário, mas foram impedidos. “Fomos boicotados. Recebemos apenas uma ligação do diretor municipal da rádio informando que a entrevista havia sido cancelada por forças ocultas”, conta o vereador Leandro Coutinho.

Em um vídeo, que circula nas redes sociais, o diretor municipal da Líder FM de Colinas, Siloe Noleto, admite que precisou cancelar a entrevista por ordens superiores.

“O diretor da rádio sou eu. Aqui, em Colinas sou eu. Mas, acima de mim existe a presidência e o diretor geral. Então não pode falar que fui eu, que foi o diretor da rádio que fez isso, foi alguém de cima. Já vem de cima, já vem lá da diretoria geral da emissora. Eu sou um ‘pau mandado’. Eu tenho que defender o meu…”, diz Siloe em seu vídeo, alegando estar muito nervoso com toda a situação.

CÓDIGO TRIBUTÁRIO

A instituição da taxa de lixo e elevação de outros tributos municipais deixou a população de Colinas revoltada. “Achamos impróprio e imoral, pois vivemos uma crise desemprego muito grande, nossa população precisa de empregos e não de taxas”, critica Leandro Coutinho.

VÍDEO

Comentários pelo Facebook: