Araguaína

Jovem é encontrado morto debaixo de pé de manga às margens da Marginal Neblina

O corpo estava ao lado de uma garrafa de vinho, segundo a polícia.

Por Redação 10.998
Comentários (0)

07/03/2019 08h16 - Atualizado há 1 ano
Jovem estava debaixo de um pé de manga

Um jovem de aproximadamente 19 anos foi encontrado morto debaixo de um pé de manga às margens da Marginal Neblina, no Setor Anhanguera, em Araguaína, na manhã desta quinta-feira (7). Ele foi identificado como Gregory Ferreira Santos Brito.

Segundo informações apuradas, o jovem estava pendurado numa das galhas da árvore com uma corda no pescoço. Ao lado do corpo havia uma garrafa de vinho. Equipes do Corpo de Bombeiros, delegado, perícia e IML estiveram no local.

A família disse que o jovem estava desaparecido desde a noite dessa quarta-feira de cinzas (6). Familiares também afirmaram que ele era um jovem calmo e estão até agora sem entender as razões que o levaram a tirar a própria vida. 

Segundo a polícia, o rapaz não tinha nenhum envolvimento com drogas e nem com a criminalidade.

DEPRESSÃO E SUICÍDIO

Conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgados em setembro de 2018, por ano, quase 800 mil pessoas em todo o mundo cometem suicídio, que é a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos de idade.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu a meta de reduzir em 10% os casos de mortes por suicídio até 2020.

No Brasil, os números são preocupantes: de 2007 a 2016, 106.374 pessoas morreram em decorrência do suicídio — em 2016, a taxa foi de 5,8 por 100 mil habitantes.

Para realizar projetos de prevenção, o Ministério da Saúde afirmou que ampliará as Redes de Atenção Psicossocial (RAPS) em cidades onde há alto índice de suicídio: será destinado R$ 1,4 milhão para núcleos de atendimento nas cidades de Manaus (AM), Campo Grande (MS), Boa Vista (RR), Teresina (PI), Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC).

O organismo internacional considera a prática do suicídio um problema de saúde pública e recomenda que países identifiquem os principais métodos que algumas pessoas usam para pôr fim à própria vida. Com isso, é possível restringir o acesso a esses meios. Outras medidas para prevenir esse tipo de morte é a implementação de políticas para limitar o consumo abusivo de álcool e drogas.

A OMS defende ainda o fornecimento de serviços de saúde mental eficazes. Governos também devem oferecer acompanhamento médico após tentativas de suicídio.

Na avaliação da agência das Nações Unidas, é necessária uma abordagem integrada, que mobilize não apenas a saúde, mas também a educação, os meios de comunicação, instituições trabalhistas e o setor agrícola.

Cada suicídio é uma tragédia que afeta famílias, comunidades e países inteiros, afirma a OMS. Em muitos países, o tema é um tabu — o que impede pessoas que tentaram se suicidar de procurar ajuda. Até hoje, apenas alguns países incluíram a prevenção do suicídio em suas prioridades de saúde e apenas 28 nações relataram ter uma estratégia nacional de prevenção.

O Ministério também anunciou que dará apoio ao Centro de Valorização da Vida (CVV): em 2017, 2 milhões de pessoas ligaram de maneira gratuita para o número 188, que oferece apoio emocional e de prevenção do suicídio. O serviço opera 24 horas e também está disponível por e-mail e chat.

Desde 2014, por iniciativa do CVV, do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), setembro é um "mês amarelo" com uma série de ações para alertar sobre a necessidade de prevenção do suicídio.

“Cerca de 90% dos suicídios são evitáveis. Temos um problema de saúde pública e podemos nos prevenir quanto a ele”, afirmou Robert Paris, presidente do CVV, a revista GALILEU.

O Brasil não tem um plano nacional de prevenção de suicídio, documento previsto apenas para 2020, quando o país deverá comprovar redução de 10% na taxa de suicídio, conforme compromisso firmado com a OMS. O primeiro boletim epidemiológico sobre o tema, porém, mostra que a realidade brasileira caminha na direção contrária.

Nessa segunda-feira (10) o jovem Fernando de Melo, 28 anos, deu fim a própria vida após publicar um post em sua conta no Facebook. No post, um desabafo de uma pessoa afetada pela depressão e suas mazelas. Fernando era professor, casado e tinha um filho. Em sua publicação o professor relata sua luta contra a depressão e se desculpa pelo ato. Através das redes sociais, os amigos e familiares lamentaram a morte.

“Precisamos conversar mais sobre isso Depressão é uma doença gravíssima infelizmente tá cada dia mais perto das pessoas que conhecemos, eu farei oque for possível para ajudar quem estiver precisando. Descanse em Paz Fernando de Melo não imagino a dor que você estáva sentindo . Fica aqui meu Adeus”, disse uma amiga.

“Mds Pq??? Logo Ele ,Um Professor Alegre, Extrovertido, brincalhão, Uma Pessoa De Bom Coração, amigão e tanto...Fará muita falta entre nós meu grande amigo e professor”,escreveu uma aluna.

Depressão x Suicídio

De acordo com a OMS 15 a cada 100 pessoas com a doença decidem pôr fim a própria vida. Segundo os dados da Organização, em todo o mundo, aproximadamente 121 milhões de pessoas sofrem dessa enfermidade, que se tratada corretamente, tem cura. Cerca de 60% a 80% dos casos podem ser tratados com medicação e psicoterapia em um atendimento primário.

Identificar os sintomas da depressão é o primeiro passo para ajudar e reverter essa situação. Geralmente a pessoa manda uma série de sinais através do comportamento, mas que nem sempre são percebidos ou então não são levados a sério. Fique atento: caso uma pessoa próxima a você apresente alguns desses sintomas, ela precisa de ajuda!

Sintomas da depressão:

  • Humor deprimido, que pode se manifestar por: tristeza, sentir-se vazio, sem esperança, choro fácil. Nas crianças a irritabilidade pode indicar depressão;
  • Perda do prazer nas atividades que antes apreciava muito;
  • Emagrecimento ou aumento do peso, perdendo pelo menos 5% do peso em apenas 1 mês, sem estar de dieta.
  • Aumento ou diminuição do apetite na maior parte dos dias;
  • Ter dificuldade para dormir, apresentando insônia ou ter excesso de sono, e dormir muitas horas, mesmo durante o dia;
  • Pode sentir-se agitado ou, pelo contrário, com lentificação dos movimentos;
  • Sentir-se sempre cansado e com falta de energia;
  • Sentir-se inútil ou sempre culpado de tudo, de forma inapropriada;
  • Dificuldade de concentração e de tomar decisões;
  • Ter pensamentos de morte, como ter medo de morrer ou pensar em suicídio, ou mesmo tentativa de suicídio anterior.

De acordo com especialistas, se a pessoa apresentar cinco ou mais destes sintomas um médico psiquiatra para indicar a gravidade da depressão, como sendo leve, moderada ou grave, para adequar o tratamento.

Fatores de Risco

  • Histórico familiar
  • Transtornos psiquiátricos correlatos
  • Estresse crônico
  • Ansiedade crônica
  • Disfunções hormonais
  • Excesso de peso
  • Sedentarismo e dieta desregrada
  • Vícios (cigarro, álcool e drogas ilícitas)
  • Uso excessivo de internet e redes sociais
  • Traumas físicos ou psicológicos
  • Pancadas na cabeça
  • Problemas cardíacos
  • Separação conjugal
  • Enxaqueca crônica

Prevenção

Para espantar a tristeza sem fim da rotina, é importante gerenciar o estresse e compartilhar as dificuldades do dia a dia. Ler, aprender coisas novas, fazer hobbies e se divertir ajudam a manter a cabeça ativa e livre de pensamentos negativos ou preocupações excessivas. O otimismo, ladeado de bom-senso, assegura o bem-estar emocional.

A máxima “mente sã, corpo são” é cientificamente aceita e o caminho inverso também procede. Ou seja, cuidar do organismo reflete na saúde mental. Nesse ponto, o conselho é praticar atividade física regularmente, inclusive porque estudos atestam que elas incentivam a liberação de hormônios e outras substâncias importantes para a manutenção do humor.

Pesquisas recentes revelam que até a dieta influencia as emoções. Nesse quesito, vale se inspirar no cardápio dos mediterrâneos, abastecido de azeite de oliva, peixes, frutas, verduras e oleaginosas (nozes, castanhas…). As gorduras e os antioxidantes presentes nesse menu estão associados à maior proteção e conservação das redes de neurônios. Quando a comunicação entre as células nervosas está afiada, não sobra espaço para a angústia se apoderar da cabeça.

O tratamento

A depressão pode durar semanas ou mesmo anos. E uma vez que o indivíduo passe por uma crise, corre maior risco de enfrentar episódio semelhante outra vez na vida. Na maioria das vezes, o tratamento é feito em conjunto pelo psiquiatra e o psicólogo. Existem diversos medicamentos antidepressivos, que ajudam a regular a química cerebral, e o médico escolherá segundo o perfil do paciente. O acompanhamento psicológico, que buscará levantar as causas do problema e como ele poderá ser desmontado, é crucial inclusive porque os remédios podem demorar um tempo para fazer efeito.

Dentro da abordagem da psicoterapia, uma das correntes mais utilizadas no tratamento da depressão é a cognitivo-comportamental, que identifica conflitos e auxilia o paciente a encará-los e sair do estado de abatimento. Existem estudos apontando que a acupuntura e a musicoterapia seriam coadjuvantes na recuperação do bem-estar emocional.

No mais, volta à tona a recomendação de um estilo de vida saudável, com dieta equilibrada e prática regular de atividade física. Também se reforça a indicação para combater o estresse concedendo tempo na agenda para atividades prazerosas.

Para os casos mais graves e resistentes ao tratamento convencional, hoje se estuda a aplicação de técnicas como a eletroconvulsoterapia e a estimulação magnética transcraniana.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.