Fações criminosas

Presos montam cassino em prisão do Tocantins e rifam carros e motos roubados

A Polícia Civil indiciou 40 suspeitos de integrar o crime organizado.

Por Raimunda Costa 842
Comentários (0)

07/12/2018 10h10 - Atualizado há 3 dias
Presos atuam em ações criminosas fora dos presídios

A partir de um caderno encontrado dentro da Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), a Polícia Civil descobriu que detentos da unidade montaram um cassino e realizavam rifas de carros e motos. Os veículos eram roubados por criminosos que estavam em liberdade e o lucro dividido entre os membros de uma facção.

De acordo com o titular da Delegacia de Repressão a Narcóticos (Denarc), de Palmas, delegado Emerson Francisco Moura, o caderno contém nomes, apelidos, funções, padrinhos e as penitenciárias pelas quais os detentos já passaram. "O caderno revela também qual seria a atuação de cada preso na facção", contou.

Em uma mensagem trocada nas redes sociais, eles sortearam carros e motos roubadas. “Os líderes promoviam essas rifas e também uma jogatina entre eles de forma apostada, seja para arrecadação de dinheiro ou para determinar alguma missão a ser feita do lado de fora na rua”, explicou o delegado.

Atualmente a população carcerária da CPPP é de 680 presos, mas a capacitação é para apenas 260. Segundo informações de funcionários da unidade, o local é dividido entre as quadrilhas e quando algum preso chega, ele escolhe onde quer ficar. A opção é para evitar que um membro de uma facção rival seja morto em outro pavilhão.

A Polícia Civil indiciou 40 suspeitos de integrar o crime organizado.

VÍDEO

Em um vídeo, um dos presos apresenta o cassino montado dentro da CPPP e ainda acrescenta que trata-se de um trabalho para a quadrilha.

Em nota, a Secretaria da Cidadania e Justiça (Seciju) disse que todos os presos que dão entrada nas unidades prisionais do Estado passam por uma triagem com a finalidade de conhecer suas características, sendo este um procedimento comum.

Ainda segundo a nota, "quando se trata de presos faccionados, com conhecimento e aprovação do Poder Judiciário, por medida de segurança, eles ficam em pavilhões separados, bem como os não faccionados".

Em outro trecho, a nota enfatiza que o “combate à atuação de grupos organizados dentro das unidades prisionais do Tocantins está sendo feito com a reestruturação do Sistema Penitenciário, o que incluiu a compra de mais equipamentos de controle de entrada de ilícitos e armamentos, a capacitação constante dos servidores e a geração de vagas”.

Em relação à superlotação da CPPP, a nota informa que "o governo do Tocantins está trabalhando na abertura de cerca de 1.400 vagas através obras de construção, de reforma e de ampliação de unidades prisionais, reduzindo o déficit carcerário em até 70%. Essa ampliação no número de vagas permitirá reduzir o excedente carcerário da Casa de Prisão Provisória de Palmas”.

Leia a íntegra da nota

"O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria da Cidadania e Justiça (Seciju), esclarece que todos os presos que dão entrada nas unidades prisionais do Estado passam por uma triagem com a finalidade de conhecer suas características, sendo este um procedimento comum.

Perguntas sobre convívio ou pertencimento a uma alguma facção criminosa fazem parte dessa triagem, com a finalidade de promover a segurança tanto dos reeducandos, evitando confronto entre eles, como dos estabelecimentos penais.

Quando se trata de presos faccionados, com conhecimento e aprovação do Poder Judiciário, por medida de segurança, eles ficam em pavilhões separados, bem como os não faccionados.

O combate à atuação de grupos organizados dentro das unidades prisionais do Tocantins está sendo feito com a reestruturação do Sistema Penitenciário, o que incluiu a compra de mais equipamentos de controle de entrada de ilícitos e armamentos, a capacitação constante dos servidores e a geração de vagas.

O Governo do Tocantins está trabalhando na abertura de cerca de 1.400 vagas através obras de construção, de reforma e de ampliação de unidades prisionais, reduzindo o déficit carcerário em até 70%. Essa ampliação no número de vagas permitirá reduzir o excedente carcerário da Casa de Prisão Provisória de Palmas."

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.