Tocantins

Justiça dá 10 dias para Governo pagar alinhamento salarial da Polícia Civil; Estado diz que vai afetar o 13º

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

21/11/2016 14h28 - Atualizado há 2 meses
O Governo do Tocantins tem dez dias para cumprir integralmente a decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins (TJTO), de 1º de setembro, que concedeu a suspensão dos efeitos do Decreto nº 5.193/2015, restabelecendo as disposições da Lei no 2.851/2014, com todos os direitos dela decorrentes. A determinação é do juiz Manoel Farias Reis Neto, após o Sindicato dos Policiais Civis do Tocantins (Sinpol-TO), através do escritório Manzano Advocacia, entrar com pedido na Justiça de cumprimento da lei, conforme decisões de 1ª e 2ª instâncias. "Como se observa dos autos, mais uma vez o Estado deixa de cumprir uma decisão judicial. Não bastasse as inúmeras decisões deste juízo que aguardam cumprimento pelo Sr. Governador ou pelos Srs. Secretários que lhe são subordinados, não bastasse o descumprimento à Lei 2.8518/2014, agora deixam de cumprir uma decisão proferida pelo pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins. Um total desrespeito aos membros da Assembleia Legislativa e do Tribunal de Justiça tocantinense. Um desrespeito, como se o Executivo fosse uma espécie de Poder Moderador, com total preponderância sobre os demais Poderes Constituídos", expôs o magistrado na decisão. O juiz ainda solicitou a expedição de ofício à Assembleia Legislativa em razão de infração político-administrativa; aplicação de multa cominatória pessoal diária no valor de R$ 5.000,00 até o limite de R$ 100.000,00 e expedição de ofício às promotorias que atuam na improbidade administrativa. “Transcorrido o prazo sem o efetivo cumprimento, após a oitiva do sindicato autor, encaminhe-se ofício à Assembleia Legislativa do Tocantins, na pessoa de seu presidente, para que receba esta denúncia e apure eventual prática de infração político-administrativa por parte do governador do Estado do Tocantins, prevista na Lei no 1.079/1950 e expeça ofício ao Ministério Público”, determinou na decisão. Outro lado Em nota, o Governo do Estado informou que o não pagamento se dá em razão da "absoluta" falta de recursos financeiros. "Hoje, o Executivo está empenhado em pagar o salário de dezembro e também o 13º dos servidores públicos estaduais', afirmou. Disse também que com a efetivação do alinhamento salarial dos policiais civis, o Estado não terá capacidade de honrar com os compromissos de forma integral. "Por essa razão, informa que ingressou com todos os recursos cabíveis e que aguarda o pronunciamento da Justiça", finaliza a nota. Com informações - Ascom /Sinpol.

Comentários (0)

Mais Notícias

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Ipueiras (TO)

Ex-prefeito é denunciado por não repassar empréstimos consignados aos bancos

Dezenas de funcionários foram lesados e tiveram seus nomes negativados no SPC/Serasa.

Caso Gislane

Mulher é presa suspeita de encomendar morte de jovem por ciúmes do namorado

A PM prendeu Marcela ainda dentro do ônibus quando chegava a cidade de Cristalândia

Animal Silvestre

Tamanduá-bandeira é capturado dentro de casa em Araguaína e solto na natureza

O animal foi colocado numa gaiola e solto em uma área verde próximo à cidade.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.