IPTU

PSB pede desculpas por divulgar 'fake news' sobre IPTU e decisão inexistente

Por Redação AF
Comentários (0)

20/02/2018 08h04 - Atualizado há 1 semana
O PSB (Partido Socialista Brasileiro) no Tocantins, presidido pelo pré-candidato a governador Carlos Amastha, pediu desculpas à população por divulgar que o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) havia negado a liminar para suspender o aumento exorbitante do IPTU em Palmas, quando, na verdade, não há nenhuma decisão. "O PSB esclarece que, por equívocos de interpretação prestados à sigla, divulgou erroneamente que o Tribunal de Justiça havia negado liminar na ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) que questiona a cobrança do IPTU (Imposto Predial Terrorial Urbano) 2018", diz a nota enviada à imprensa. O partido aproveitou para pedir desculpas publicamente a todos os veículos de comunicação e profissionais de imprensa de Palmas e do Estado. Conforme a nota, não houve intenção alguma de divulgar notícias inverídicas. Porém, o partido disse que segue com a total confiança que o pedido de suspensão do aumento do IPTU será negado. PSB CHEGOU A COMEMORAR A DECISÃO INEXISTENTE Ao divulgar nota da decisão inexistente, o PSB chegou a comemorou a derrota do vereador Lúcio Campelo, autor da ação, classificando sua iniciativa como ato de oportunismo. "Ainda mais em ano de eleições, é uma prática usual de oportunismo político de alguns, infelizmente. Não esperávamos outra coisa de gente que quer o poder a todo custo o poder pelo poder. Mas, o Judiciário, com coerência, negou esse pedido de liminar e vai ouvir a Prefeitura, que trata o tema com a maior responsabilidade e respeito ao cidadão", comentou o vereador Tiago Andrino, aliado de Carlos Amastha. NOTA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Depois que o partido disse que a liminar tinha sido negada, o Tribunal de Justiça divulgou nota à imprensa desmentido. "Sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 0002648-96.2018.827.0000 o Tribunal de Justiça do Tocantins esclarece que não houve decisão e, sim, um despacho feito pelo desembargador João Rigo Guimarães, na quinta-feira (15/02)". Relator do processo, João Rigo solicita informações ao presidente da Câmara Municipal de Palmas e ao prefeito da Capital  e, somente após decorrida esta etapa, é que o  pedido liminar de tutela de urgência será analisado pelo desembargador para ser referendado pelo Tribunal Pleno".
ASSUNTOS iptu palmas fake news

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.