Educação

Sintet critica proposta de escola público-privada em Araguaína: "retrocesso, coisa pra inglês ver"

O modelo permite que escolas públicas sejam gerenciadas com gestão privada.

Por Redação 1.399
Comentários (0)

14/01/2020 17h18 - Atualizado há 4 dias
Sala de aula

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Tocantins (Sintet) se posicionou contrário ao modelo de escola público-privado que deve ser implantado em Araguaína, conforme anunciado pelo prefeito Ronaldo Dimas (Podemos) após visita a Porto Alegre (RS), onde conheceu a proposta.

Para o Sintet, a medida representa o "início da privatização nas escolas públicas municipais". Segundo o sindicato, o projeto-piloto anunciado pela gestão se refere às Escolas Charter, modelo de origem norte-americana. "Nada mais é do que a privatização escancarada da educação pública", criticou.

O modelo permite que escolas públicas sejam gerenciadas com gestão privada. Isso significa que a prefeitura passará os recursos públicos para uma entidade fazer a gestão pedagógica e financeira da escola. 

"É coisa pra inglês ver", disparou o Sintet. "A privatização da educação pública é inadmissível, trata-se de um retrocesso avassalador, que afetará principalmente os trabalhadores da educação, além de propagar a segregação de alunos", acrescentou.

QUESTIONAMENTOS

O Sindicato fez vários questionamentos: “qual seria o verdadeiro motivo da privatização das escolas públicas de Araguaína? O lavar as mãos da gestão municipal face a necessidade de se investir sistematicamente na educação? Velar os interesses empresariais dos grandes consórcios educacionais? A implantação da terceirização em detrimento da realização de concurso público?”

MODELO FRACASSADO NOS EUA

O Sintet disse que o modelo Charter de escola fracassou no seu país de origem e não traz nada de inovação.  

- "A implantação do modelo, copiado de Porto Alegre/RS, nega toda a formação e capacitação dos profissionais da educação; nega a capacidade de gerir dos atuais diretores de escolas, inclusive a capacidade técnica da própria gestão. A medida ainda negligencia o trabalho de anos de estudos das equipes que elaboraram os planos nacionais (PNE), estaduais (PEE) e municipais (PME) de educação”. 

- "A classe trabalhadora, a maior usufrutuária da educação pública, com certeza será a grande prejudicada. A educação pública é responsabilidade do poder público, com gestão pública".

Presidente do Sintet regional de Araguaína, Rosy Franca

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.