Gastos elevados

Tocantins está na segunda pior situação entre Estados que descumprem a Lei de Responsabilidade Fiscal

Por Redação AF
Comentários (0)

09/02/2016 10h17 - Atualizado há 1 mês
A Lei de Responsabilidade Fiscal já ameaça 20 Estados que ultrapassaram no ano passado o limite de alerta previsto na legislação. Na relação está o Tocantins, que gastou em 2015 o equivalente a 51,67% da Receita Corrente Líquida (RCL) com gastos de pessoal. O Tocantins só ficou atrás do Rio Grande do Norte, onde o percentual atingiu 52,53% da RCL. O levantamento foi feito pela Folha de São Paulo, onde apontou também que a crise econômica e os desajustes nos Orçamentos fizeram os Estados arrecadarem no ano passado quase R$ 30 bilhões a menos do que o esperado e avançar sobre limites de gastos impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Em vários Estados, as perspectivas para o ano são de mais atrasos em pagamentos e nos salários de servidores. A maioria dos governos obteve menos receitas com tributos e com transferências federais do que o previsto um ano atrás. Os problemas financeiros também levaram a maioria dos governadores a piorar o comprometimento das finanças com pessoal em 2015. O nível de endividamento dos governos teve elevação generalizada. Estados que ultrapassaram os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal em 2015. > Acima do limite máximo (49%) > Acima do limite "prudencial" (46,55%) > Acima do limite de alerta (44,1%) gastos com pessoal Punições A Lei de Responsabilidade Fiscal prevê uma série de restrições a quem ultrapassa os limites de comprometimento de receita. No caso dos gastos com pessoal, o Estado fica impedido de fazer contratações. Se não houver uma melhora nas contas em oito meses, as transferências federais podem ser cortadas. Novos empréstimos também são barrados e as contas de governo podem ser rejeitadas, o que provoca a inelegibilidade do governador. O presidente da Associação Nacional do Ministério Público de Contas, Diogo Ringenberg, diz que a piora nos índices reflete o fim de um período de "exuberância econômica", em que os Estados se comprometeram descontroladamente com gastos. "A mudança do viés 'mão aberta' para o 'mão fechada' é muito lenta e há resistências gigantescas a ela", disse. Um dos Estados que superaram o limite máximo com pessoal foi o Rio Grande do Sul, que acumula outras marcas negativas. O Estado, governado por José Ivo Sartori (PMDB), está com uma dívida 227% superior à receita corrente líquida, pior índice em oito anos. Apesar de ter um dos maiores PIBs do país, o Rio Grande do Sul foi um dos que menos destinaram recursos para investimentos –só superou pequenos Estados do Norte.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.