Acessibilidade

Tribunal de Justiça do Tocantins suspende processo por não ser acessível a advogado cego

Por Redação AF
Comentários (0)

22/12/2017 13h44 - Atualizado há 1 ano
A desembargadora Etelvina Maria Sampaio Felipe, do TJ-TO (Tribunal de Justiça do Tocantins), suspendeu liminarmente um processo de verba alimentar que está tramitando na 1ª Vara Cível de Pium por ele não ser acessível para deficientes visuais. O autor do agravo que resultou na liminar é o advogado de Araguaína Elex Carvalho, deficiente visual e representante de uma das partes. “A decisão da desembargadora abre precedentes positivos para os cerca de 1.800 advogados com deficiência visual do Brasil. A única iniciativa similar registrada no país foi a da advogada Deborah Prates, do Rio de Janeiro, que em 2014 pediu para peticionar em papel, pois a implementação do Processo Judicial Eletrônico daquele estado prejudicava seu trabalho”, conta Elex. Porém, a advogada teve o pedido negado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Na decisão do Tocantins, a desembargadora cita em especial a violação do Artigo 80 da Lei 13146/2015, o Estatuto da Pessoa Deficiente, que diz que devem ser oferecidos todos os recursos de tecnologia assistiva disponíveis para que a pessoa com deficiência tenha garantido o acesso à justiça. Outro argumento da magistrada tem base na Instrução Normativa 005 de 24 de outubro de 2011 do TJ-TO. Esta instrução explica as normas técnicas que devem ser seguidas por um processo ao ser protocolado no e-proc/TJ-TO, o sistema de processo eletrônico utilizado pelo Poder Judiciário do Estado do Tocantins. Ao ser cadastrado no sistema, os documentos e arquivos digitais têm que ter exclusivamente no formato PDF para textos, JGP para fotos e MP3 ou WMA para arquivos de áudio e vídeo. “A suspensão do processo até julgamento do mérito foi uma decisão sensata e prudente. O cerceamento de defesa no presente caso, em face do advogado ser pessoa com deficiência é flagrante e a nulidade deve ser sanada com a digitalização correta dos documentos e abertura de novos prazos às partes. De qualquer forma, a decisão pode ser considerada como um avanço na acessibilidade ao judiciário pelos advogados com deficiência. Esperamos que essa decisão venha a repercutir nos futuros processos onde haja litigantes com deficiências ou advogados com deficiência, patrocinando a causa, garantindo assim, um acesso igual a justiça e paridade de armas, bem como o respeito às prerrogativas do advogado com deficiência no que se refere a acessibilidade processual e demais garantias legais", pontua o presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins), Arlindo Nobre da Silva. O processo representado por Elex estava em PDF, mas em formato de imagem e não de texto, o que não permite que programas e aplicativos de leitura de textos sejam usados como ferramenta auxiliar pela pessoa com deficiência visual. (Ascom OAB)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.