Tocantins

MPF denuncia ex-presidente do Dertins e empresário da Rivoli SPA por fraude

Vencedora da licitação, a empresa Rivoli S.P.A. apresentou documentos até de sua matriz na Itália.

Por Redação 511
Comentários (0)

05/04/2019 15h02 - Atualizado há 1 ano
Sérgio Leão

O Ministério Público Federal no Tocantins denunciou à Justiça o ex-presidente do Departamento de Estradas e Rodagens do Tocantins (Dertins), Sérgio Leão, e o representante da empresa Rivoli S.P.A., Douglas Ângelo Razabone.

Os dois são acusados de terem fraudado o caráter competitivo de licitação para a construção da ponte sobre o Rio Tocantins, na rodovia TO-070, ligando os municípios de Porto Nacional e Fátima.

Em fevereiro de 2014, a Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), vinculada ao Dertins, abriu licitação para selecionar a empresa que construiria a ponte.

Quatro empresas concorreram à licitação, a Rivoli foi declarada inapta por não comprovar sua capacidade técnico-operacional. Porém, Douglas Razabone ficou insatisfeito com o resultado e propôs recurso administrativo em junho de 2014, que foi negado.

Em julho do mesmo ano, ele protocolou “pedido de reconsideração”, um recurso sem previsão legal, e o procedimento permaneceu parado até abril de 2015, quando Sérgio Leão estava no cargo de presidente do Dertins e emitiu ato administrativo deferindo o pedido de reconsideração e reabilitando a Rivoli, que saiu vencedora do processo licitatório.

Para o MPF, os autos revelam que não havia razão técnico/jurídica para a reforma da decisão de inabilitação, o que caracteriza conduta criminosa para beneficiar indevidamente a Rivoli.

Segundo o MPF, conduta semelhante já foi praticada por Sérgio Leão em 1998 em favor da empresa, quando foi acusado de praticar diversas irregularidades, como obra sem prévio procedimento licitatório e superfaturamento em terraplanagem, pavimentação asfáltica e construção de ponte no Tocantins.

Além disso, foram aceitos documentos da matriz da Rivoli, localizada na Itália, quando necessariamente deveriam ser da sua filial no Brasil. O uso de documento indevido foi intencional, pois a empresa nacional não atendia o mínimo exigido para os indicadores financeiros.

Pesa também contra os acusados a pressão que Sérgio Leão exerceu contra um membro da comissão de licitação para habilitar a Rivoli e julgar o certame favorável à empresa. O membro não aceitou, mas, mesmo assim, Sérgio Leão adjudicou o contrato para a Rivoli.

O MPF requer a condenação de Sério Leão e Douglas Ângelo Rabazone por frustrar procedimento licitatório, crime descrito no artigo 90 da Lei 8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da administração pública.

O que diz a lei

Art. 90. Frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de obter, para si ou para outrem, vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação.
Pena: detenção, de dois a quatro anos, e multa.

(Ascom/MPF)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.