Lixo hospitalar

OAB-TO garante prisão especial para João Olinto e seu filho por serem advogados

Pai e filho estão presos em sala especial no Comando Geral da PM-TO.

Por Redação 1.614
Comentários (0)

28/11/2018 10h48 - Atualizado há 3 anos
João Olinto chegando à sede do QCG de Palmas

A Procuradoria de Defesa de Prerrogativas e Valorização da Advocacia da OAB Tocantins disse que atuou para garantir que os advogados João Olinto Garcia de Oliveira, 59 anos, e seu filho, Luiz Olinto Rotoli Garcia de Oliveira, 30 anos, ficassem em sala especial da PM (Polícia Militar) - Salas do Estado Maior. Eles foram presos na operação que apura supostos crimes por depósito ilegal de lixo hospitalar em Araguaína. 

Luiz Olinto foi detido no domingo, 25 de novembro. Já João Olinto, que tinha mandado de prisão expedido há duas semanas, se entregou na noite desta terça-feira, 27 de novembro, em Palmas.

“Eles são advogados e têm prerrogativas de estarem em salas do Estado Maior. É lei federal e nós jamais vamos deixar de defender um advogado ou uma advogada. Por isso, estivemos atuando”, ressaltou o procurador-geral de Defesa de Prerrogativas e Valorização da Advocacia, Jander Araújo Rodrigues.

Tanto João Olinto, quanto Luiz Olinto, são representados pelo advogado Antônio Ianowich Filho. Em ambos os casos, ele avisou a OAB-TO e contou com o auxílio da Procuradoria de Prerrogativas e Valorização da Advocacia.

“Nossa gestão não faz qualquer distinção. Aonde tiver advogado precisando de respeito às suas prerrogativas, nós estaremos lá. O transcorrer da investigação vai mostrar eventual culpa ou não, mas a OAB-TO está para defender os advogados e advogadas sempre que houver qualquer violação de prerrogativas”, destacou o presidente da OAB-TO, Walter Ohofugi Júnior.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.