Crime ocorreu em 2014

Policiais civis e advogado de Araguaína serão levados a júri popular por tentativa de homicídio

Por Redação AF
Comentários (0)

06/06/2017 14h30 - Atualizado há 1 mês
A Justiça mandou a Júri Popular dois policiais civis e um advogado de Araguaína acusados de tentativa de homicídio duplamente qualificado. Segundo o Ministério Público Estadual os policiais Ademael das Neves Conceição e Genilson da Costa Feitosa, e o advogado Rafael Elias Nicoterra, são acusados de tentar matar, em setembro de 2014, Wellington Gomes da Costa e Luiz James Pedrosa de Araújo, para evitar que eles os denunciassem por crimes anteriores.

Conforme o MPE, a justiça reconheceu que há indícios de autoria do crime. A sentença de pronúncia foi proferida no dia 30 de maio.

Conforme a acusação, o crime teria sido praticado utilizando-se de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e causando perigo comum, ou seja, disparos de arma de fogo em via pública.

Ademael e Genilson já respondem a outras ações penais por diversos crimes, entre eles corrupção, tráfico de drogas e associação criminosa. Eles estão presos desde junho de 2016, e Rafael responde ao processo em liberdade.

Entenda o caso

Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual, em 2014, os três acusados dedicavam-se à comercialização de veículos "Finan" e extorquiam dinheiro de Luiz James e Wellington Gomes, sob o pretexto de que iriam entregá-los para a polícia, ou acusá-los de crimes diversos.

Após se recusarem a continuar dando dinheiro aos acusados, as vítimas passaram a sofrer ameaças e foram alvos de aproximadamente 20 disparos de arma de fogo em via pública na cidade de Araguaína, próximo ao Hospital Municipal. Nenhum deles atingiu Luiz e Wellington, porque conseguiram fugir do local.

Segundo o Ministério Público, nas investigações, ligações rastreadas demonstraram que os policiais realizaram uma verdadeira ‘caçada’ a Luiz James e a Wellington, que começou ainda na madrugada e se intensificou ao longo do dia 12 de setembro de 2014, até o momento da tentativa de homicídio, por volta das 18h.

Ainda conforme o MPE, apurou-se que o posicionamento geográfico do advogado Rafael também coincidia com o trajeto percorrido pelas vítimas. “Tal fato demonstra o envolvimento dos três acusados, que trocavam entre si dezenas de chamadas telefônicas, antes e logo após a prática do crime”, ressaltou o promotor de justiça Paulo Alexandre Rodrigues de Siqueira na denúncia criminal.

As informações são do Ministério Público Estadual.

Comentários (0)

Mais Notícias

De olho nas oportunidades

Vagas temporárias: qual o perfil das pessoas a serem contratadas no Tocantins?

50% dos comerciantes preferem contratar mulheres para ocuparem os cargos.

Danos morais

Empresas são condenadas por negativar nome de mulher falecida no Tocantins

A suspensão das cobranças deveria ter sido feita logo após o óbito por conta de seguro.

Profissões

Top 20: Profissões que mais avançaram nos últimos anos e outras que sumiram

Nas que mais avançaram, há uma predominância de atividades voltadas para a saúde.

Oportunidades

230 vagas de emprego para Palmas, Araguaína e mais sete cidades do Tocantins

As cidades que têm mais vagas disponíveis são Araguaína, com 64, Palmas, 56, e Taquaralto, 26.

Política

Bolsonaro cogita Sérgio Moro no Supremo Tribunal Federal, diz presidente do PSL

Bebianno é cotado para ser ministro da Justiça num eventual governo Bolsonaro.

3ª Corrida da Justiça

Cerca de 1.000 atletas participam de tradicional prova noturna no Tocantins

Os corredores se dividiram em dois trajetos (5 e 10 km) finalizando na na Praça dos Girassóis.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.