Araguaína

Sindicatos chamam Halum e Botelho de 'traidores do povo' durante ato em Araguaína

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

28/04/2017 14h09 - Atualizado há 2 meses
Manifestantes contrários às reformas da previdência e trabalhista percorreram, nesta sexta-feira (28), as principais ruas de Araguaína e fizeram protestos em frente às residências dos deputados federais César Halum (PRB) e Lázaro Botelho (PP). No ato, além de chamar os deputados de "traidores", os manifestantes desafiaram os parlamentares a sair de suas casas e se posicionar diante do protesto. Mas, segundo eles, os deputados se "acovardaram". "Com o protesto, deixamos claro que é uma atitude covarde dos deputados federais Lázaro Botelho e César Halum votar contra os servidores públicos e contra o povo brasileiro, pois as reformas trabalhista e previdenciária em nada trarão benefícios. Eles foram eleitos para defender o povo e não ser contra. Votaram a favor de seus interesses. Nós, dos sindicatos, repudiamos a atitude dos parlamentares", disse Ronaldo Sérgio, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Tocantins (Sisepe), em Araguaína. Cartazes do protesto e com a mensagem "Fora Temer" foram fixadas nos muros das residências dos deputados. Já o presidente regional do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins (Sintet), Jesulê Guida, disse que o deputado Cézar Halum é "um dos maiores traidores do Brasil". "Repudiamos as atitudes dos deputados e senadores que estão aprovando as reformas previdenciária e trabalhista; privatização das estatais, reforma do ensino médio e congelamento de salários. Somos contra", ressaltou. A manifestação também passou em frente ao prédio da Prefeitura de Araguaína, na Avenida José de Brito, onde questionaram o abandono do antigo prédio, que estaria prestes a cair, mas há servidores trabalhando no local. Marcelo Miranda Os manifestantes ainda criticaram o governador Marcelo Miranda (PMDB). Recentemente, Miranda foi internado em um hospital particular. Para eles, o governador deveria "atestar" a qualidade da saúde pública do Tocantins e terminar o tratamento no Hospital Regional de Araguaína. Participantes Segundo os organizadores, em média 1.000 a 1.500 pessoas participaram do protesto. Já a Polícia Militar contabilizou cerca de 500 participantes. Cerca de 17 entidades, entre órgãos sindicatos aderiram ao protesto.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.