Fiscalização das contas

TCE rejeita contas de Eduardo Madruga por falta de planejamento em Wanderlândia

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

23/05/2018 15h12 - Atualizado há 1 semana
As prefeituras de Wanderlândia e Darcinópolis, norte do Estado, tiveram as prestações de contas do ano de 2015 rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Agora, cabe à Câmara Municipal de cada uma das cidades decidir se mantêm ou não a rejeição. As decisões foram tomadas pelos conselheiros da 2ª Câmara do TCE e publicadas no Boletim Oficial do órgão nesta terça-feira (22). Wanderlândia Entre as irregularidades apontadas em Wanderlândia, o TCE apontou ausência de planejamento, uma vez que a arrecadação do município superou em 676,61% a previsão orçamentária. Para os conselheiros, houve, assim, descumprimento ao que determina o artigo 1º, parágrafo 1º da Lei de Responsabilidade Fiscal. Em 2015, o prefeito da cidade já era Eduardo Silva Madruga, que foi reeleito em 2016 e deve ficar no cargo até 2020. O TCE apontou também divergência entre os valores constantes no demonstrativo de passivo financeiro, que apresenta a descrição analítica por credor dos restos a pagar, para a demonstração da dívida flutuante, que apresenta o valor contábil dos restos a pagar. O órgão afirmou ainda que o repasse efetuado à Câmara Municipal, referente ao duodécimo, foi de R$ 651.552,84, ficando abaixo do limite máximo de 7%. Além disso, o município realizou despesas impróprias na manutenção de desenvolvimento do ensino (despesas com gêneros alimentícios/refeições/ merenda pagas com recursos do MDE 0020.00.000) no valor de R$ 59.533,11 em desconformidade ao que determina o artigo 71 da Lei Federal nº 9.394/96. Darcinópolis O prefeito de Darcinópolis em 2015 era Raimundo Nonato Belas dos Santos. Conforme o TCE, o índice de aplicação em despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino do município atingiu o percentual de 24,47%, ficando inferior ao limite mínimo de 25% fixado no artigo 212 da Constituição Federal. Além disso, o valor da “Cota-Extra” do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) depositada em conta bancária do FPM nos meses de julho e dezembro de 2015 foram registradas na conta do FPM 'Normal', onde o correto seria o registro na conta de receita, influenciando assim na apuração do índice da saúde.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.