Epidemia de dengue

Tocantins reduziu em 4,7% orçamento para controle de epidemias, mas diz que "não trouxe impacto negativo"

Por Redação AF
Comentários (0)

17/02/2016 08h10 - Atualizado há 1 semana
O Estado do Tocantins reduziu em 4,7% o orçamento para Vigilância em Saúde em 2015, que é destinado às ações de controle de epidemias. Mas de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), essa redução não trouxe impacto negativo às ações de prevenção, vigilância e controle do Aedes aegypti no Estado "em razão da clara definição de competências de municípios e Estado". O Estado está com o segundo maior índice de incidência de casos de dengue, segundo o Ministério da Saúde, com 103 casos para cada 100 mil habitantes. Apesar de o Estado figurar entre os 17 do país, além do Distrito Federal e a União, que diminuíram gastos contra epidemias no ano passado, a Sesau informou também que no ano de 2014 foram investidos R$ 21 milhões em Vigilância. Já em 2015 esse número caiu e ficou na casa dos R$ 20 milhões. “Desta forma, através de incentivos fixos e de corpo técnico qualificado, a Sesau tem atuado para responder pela incumbência de fortalecimento de gestão de ações de prevenção, controle vetorial e de mobilização social em prol da redução de casos de doenças vetoriais transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti no Estado”, afirmou. Além disso, a secretaria afirmou fazer parte da rotina de trabalho do Programa Estadual de Controle da Dengue, supervisões, atualizações de profissionais, assessorias técnicas e treinamento em serviço para as equipes de controle vetorial dos municípios para monitoramento, acompanhamento e avaliação das ações práticas de vigilância epidemiológica  e de controle vetorial. A Sesau afirmou ainda que também tem articulado parcerias para sensibilização de  segmentos da sociedade ligados a entidades públicas, privadas, terceiro setor e da sociedade organizada para desenvolvimento de ações de controle vetorial e de sensibilização de suas comunidades para prevenção de criadouros do mosquito, fortalecendo essas ações com a reativação do Comitê Estadual de Mobilização Social contra o Aedes aegypti. Além de realizar a disseminação de instrumentos de educação e sensibilização da comunidade para a mudança de comportamento voltada para a adoção de práticas preventivas, como o acondicionamento e destinação corretos de lixo doméstico e manutenção do ambiente domiciliar preservado da infestação do mosquito Aedes aegypti, por exemplo.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.