Tocantins

Enteada que engravidou do padrasto ao ser abusada dos 11 aos 17 anos quebra silêncio

Criança está com 5 anos atualmente. Padrasto foi indiciado pela polícia.

Por Redação 2.330
Comentários (0)

15/09/2021 14h51 - Atualizado há 1 semana
Inquérito foi concluído e remetido à justiça

Um homem de 53 anos foi indiciado pela Polícia Civil do Tocantins por estuprar a própria enteada durante mais de seis anos seguidos. As investigações sobre o caso foram concluídas pelo delegado Márcio Lopes, da 22ª Delegacia de Xambioá (TO), nesta terça-feira (14/9), depois que a vítima decidiu quebrar o silêncio e denunciar os abusos.

Conforme a polícia, ficou demonstrado que os crimes foram praticados na cidade de Xambioá desde quando a vítima tinha apenas 11 anos. Os abusos continuaram por vários anos e a adolescente engravidou do agressor aos 14. Atualmente a vítima tem 21 anos.

A polícia descobriu ainda que os estupros ocorriam no ambiente familiar, em uma fazenda na zona rural de Xambioá, onde a então criança e depois adolescente morava com a sua mãe, seus irmãos e o padrasto.

Segundo o delegado Márcio Lopes, as investigações demonstraram ainda que o estuprador sempre praticava o ato sexual sem uso de preservativo, razão pela qual a vítima engravidou com apenas 14 anos de idade.

Embora o padrasto tenha tentado fazer com que a menina abortasse por diversas vezes, a criança nasceu saudável e tem atualmente 5 anos de idade, com boa saúde.

A vítima revelou que o padrasto lhe obrigou a tomar duas vezes ao dia sumo de limão até que sentisse a dor do aborto. Em outra ocasião, ele a obrigou a tomar “fel de paca”.

Conforme as investigações, os abusos só cessaram depois que a vítima foi morar com um rapaz em uma cidade no estado do Pará, quando completou 17 anos de idade.

Depois disso, o suspeito ainda obrigou a mãe da vítima a ligar para ela alegando que estava muito doente e pedindo que ela fosse visitá-la. A vítima atendeu ao pedido da mãe mesmo com medo e foi estuprada pela última vez durante a noite enquanto dormia ao lado do seu filho. Desta vez, o crime ocorreu sob a ameaça do agressor de cortar a garganta da criança.

Ao chegar em casa e contar o fato para o jovem companheiro, ele convenceu a vítima a procurar a Polícia Civil para denunciar o caso. Exames de DNA atestaram a criança realmente é filho do agressor.

O inquérito policial foi concluído e remetido à Justiça com indiciamento do investigado pelo crime de estupro de vulnerável de forma continuada.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.