Tragédia

Estudante queria matar 'todo mundo' por sofrer bullying em escola particular de Goiânia

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

20/10/2017 17h01 - Atualizado há 1 mês
A tragédia só não foi maior no colégio particular de Goiânia, na manhã desta sexta-feira (20), porque uma professora interveio. A afirmação foi feita pelo delegado Luiz Gonzaga Júnior ao G1. Conforme o titular da Delegacia Estadual de Apuração de Atos Infracionais (Depai), o atirador tinha mais munição e iria provocar mais mortes. Dois adolescentes foram mortos e outros quatro ficaram feridos no atentado, que ocorreu no Colégio Goyases, localizado na Rua Planalto, no Conjunto Riviera, em Goiânia. O autor dos disparos é um aluno do 8º ano e ele é filho de um major da Polícia Militar (PM) e teria pegado a arma de seu pai. A mãe do jovem também é militar.  O estudante estava dentro da sala e, no intervalo entre duas aulas, tirou da mochila a arma, uma pistola .40, e efetuou os disparos. “Ele ia matar todo mundo. Levou dois carregadores para a escola. Descarregou o primeiro e quando foi carregar o segundo, foi abordado pela coordenadora. Ele pensou até em se matar, apontou a arma para a cabeça, mas ela o convenceu a entregar a pistola para ela”, disse o delegado. Os adolescente mortos foram identificados como João Vitor Gomes e João Pedro Calembo. Os outros quatro alunos feridos, sendo três meninas e um menino, estão internados em hospitais da capital goiana. O delegado disse que o adolescente atirou primeiro contra João Pedro porque tinha um desafeto com ele. Porém, Luiz Gozaga não soube dizer o motivo deste conflito. Há rumores de que o autor do atentado sofria bullying e era chamado de "fedorento", porque não usava desodorante.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.