Em Palmas

Pedreiro pega só 10 anos de prisão por estrangular mulher e arrastar corpo em avenida

O crime brutal foi cometido no dia 31 de julho de 2020.

Por Redação 2.033
Comentários (0)

18/02/2022 10h08 - Atualizado há 2 anos
Vítima foi arrastada por avenida em Palmas

O pedreiro Sinédrio de Moraes dos Santos foi condenado pelo Tribunal do Júri de Palmas a 10 anos e 6 meses de reclusão por matar Kamila Santos de Souza Lima, 29 anos, asfixiada no dia 31 de julho de 2020. A vítima foi encontrada só de calcinha com os pés e mãos amarrados.

O Promotor de Justiça sustentou que o crime fora cometido por motivo fútil e por razões da condição do sexo feminino, configurando o crime de feminicídio. O julgamento ocorreu nesta quinta-feira (17). 

De acordo com a denúncia, o réu trafegava com sua motocicleta pelo Jardim Aureny III e, após avistar duas mulheres caminhando, aproximou-se delas e iniciou uma conversa com a vítima Kamilla.

Após consumirem bebida alcoólica e trocarem carícias, o réu convenceu a vítima a ir com ele até um imóvel em construção, localizado na Quadra 1506 Sul. Já no local dos fatos, durante troca de carícias, ocorreu um desentendimento entre eles, momento em que o réu agarrou Kamilla pelo pescoço e a esganou até que ela perdesse os sentidos e caísse ao chão. Nesse momento, o réu amarrou uma corda no pescoço da vítima e a estrangulou.

Após matar Kamilla, o réu ainda tentou ocultar o cadáver da vítima, amarrando-o em sua motocicleta e partindo em direção a um matagal. Entretanto, durante o percurso, quando transitava pela Av. LO-35, o corpo da vítima caiu na via e o réu, temendo ser flagrado, abandonou o corpo no local e se evadiu.

O julgamento

Na decisão proferida nesta quarta-feira (17/2), o Conselho de Sentença condenou o réu Sinédrio de Moraes dos Santos por homicídio praticado mediante asfixia e por tentativa de ocultar o corpo da vítima.

Por outro lado, o Conselho de Sentença rejeitou as qualificadoras do motivo fútil e do feminicídio, e acatou o pedido da defesa para redução da pena, argumentando que o réu agiu sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida à injusta provocação da vítima.

Dosimetria da pena

Após análise das decisões do Conselho de Sentença, o Juiz Presidente do Tribunal do Júri fixou a pena. "Diante do exposto, fixo a pena definitivamente em 10 (dez) anos e 6 (seis) meses de reclusão e 10 (dez) dias-multa, à base de um trigésimo do salário mínimo. A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado, tendo em vista a pena aplicada (artigos 33, § 2º, alínea "a" do Código Penal), que remanesce superior a oito anos ainda que detraído o tempo de prisão provisória por este processo (art. 387, § 2º, CPP)", diz a decisão. O réu não poderá apelar em liberdade, uma vez que permanece incólume a necessidade da prisão cautelar decretada no evento 7 dos autos nº 0030228-91.2020.8.27.2729, com vistas à garantia da ordem pública devido à periculosidade do agente, evidenciada pelo modus operandi e utilização de asfixia para dar cabo à vida da vítima, além do fato de lhe ter sido imposto o cumprimento da pena em regime inicialmente fechado e ter respondido ao processo preso”.

Corpo da vítima foi abandonado no meio de uma avenida

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.