Operação Bullion

PF no Tocantins faz operação contra garimpeiros, compradores de ouro e 'laranjas' no PA, GO e SP

Ouro é extraído ilegalmente de terras indígenas e enviado para o exterior.

Por Redação
Comentários (0)

22/06/2023 08h43 - Atualizado há 9 meses
PF desarticula esquema de extração de ouro em terras indígenas no Pará

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (22/6) uma nova fase da investigação criminal que apura a atuação de organização criminosa dedicada à extração, comercialização e exportação ilegais de ouro extraído de reservas indígenas e unidades de conservação federal, bem como à lavagem do dinheiro, bens e ativos de origem ilícita.

O inquérito policial da 'Operação Bullion' é um desdobramento da Operação Kukuanaland, deflagrada em fevereiro deste ano.

Nesta etapa, são cumpridos 17 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em Gurupi (TO), nas cidades de Goiânia (GO), São Paulo (SP) e em cinco municípios do Pará.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) também realizou fiscalização ambiental de forma coordenada com o trabalho de investigação criminal da PF.

Durante o inquérito, a Polícia Federal identificou a possível existência de grupo criminoso, cujo modo de agir passa pelas seguintes atividades ilegais: extração do minério de áreas proibidas, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e subsequentes transporte, comercialização e exportação do ouro ilegal.

A polícia investiga a hipótese de que o ouro extraído ilegalmente de reservas indígenas e unidades de conservação federal vinha sendo “esquentado”, mediante documentos ideologicamente falsos, nos quais o grupo declarava origem diversa da real, como se o metal tivesse sido extraído de área autorizada.

O ouro extraído ilegalmente no Pará, em grandes garimpos do grupo criminoso na divisa com à Terra Indígena Kayapó, em Bannach (PA), vinha sendo exportado para empresas dos EUA, Emirados Árabes e Itália.

A partir das medidas judiciais executadas nesta fase da operação, a PF pretende identificar os principais colaboradores e integrantes da organização criminosa, recuperar ativos financeiros para a União e desarticular a atuação do grupo.

Entre os principais suspeitos e indiciados, a PF identificou garimpeiros ilegais, compradores de ouro, 'laranjas' e indivíduos que assumiram empresas do grupo criminoso ou receberam recursos milionários, além de outros que de alguma forma participaram de crimes no interesse do grupo.

Os indiciados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, por crimes contra a ordem econômica – usurpação; pesquisa/lavra/extração de recursos minerais sem autorização/permissão/concessão ou licença; lavagem de bens, dinheiro e ativos; falsidade ideológica e pertencimento a organização criminosa, cujas penas somadas, podem chegar a vinte e nove anos de reclusão.

NOME DA OPERAÇÃO

“Bullion” é o nome que se dá a barras de ouro puro de 1 Kg, e foi escolhido para identificar esta Operação Policial como alusão ao metal ilegalmente apropriado pela organização criminosa.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.