No Estado

Empresa de UTI móvel é condenada em R$ 560 mil por ineficiência durante a pandemia

A condenação é resultado de uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público.

Por Redação 621
Comentários (0)

23/11/2021 16h21 - Atualizado há 1 semana
UTI Móvel

A empresa que presta serviço de UTI móvel no Estado do Tocantins, Elisabeth Santos Taveira Eireli, terá que pagar mais de R$ 560 mil por dano moral coletivo por irregularidades na prestação do serviço público de UTI móvel durante a pandemia de Covid-19.

A empresa ainda recorreu da decisão, mas o recurso foi negado. A empresa possui contrato com o Estado do Tocantins e teve a qualidade do serviço contestada em ação proposta em 2020 pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO).

Na ação civil pública, o Ministério Público sustentou que a demanda pelos serviços de UTI móvel cresceu durante a pandemia de Covid-19 e que havia ineficiência na prestação do serviço. Desse modo, o órgão de controle requereu que fossem corrigidas as irregularidades apontadas, aumentando-se a frota para evitar atrasos no atendimento aos pacientes e para garantir a cobertura do serviço em todos os hospitais da rede pública estadual.

O Estado é parte na mesma ação civil pública e também foi obrigado a pagar igual valor a título de indenização por dano moral coletivo, sendo que a quantia corresponde a 10% do valor do contrato assinado entre a empresa e a administração pública. Além da imposição do pagamento da indenização, foi imposta aos réus, à época, a obrigação de ampliar a frota de ambulâncias dos tipos B e D.

O Ministério Público atua no processo representado pela promotora de Justiça Araína Cesárea D’Alessandro. A decisão que negou o recurso da empresa Elisabeth Santos Taveira Eireli foi proferida pelo juiz Gil de Araújo Corrêa, no último dia 16 de novembro.

 

 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.