Tocantins

Freezer acumula tecidos humanos e resíduos biológicos há quase dois anos em hospital público

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

05/09/2017 14h44 - Atualizado há 1 mês
O descarte de lixo hospitalar e material biológico é um problema sério no Hospital Municipal de Taguatinga (TO). De acordo com a Defensoria Pública do Estado, há uma sala no fundo do hospital com placentas, úteros, órgãos, tecidos humanos e outros resíduos biológicos de cirurgias que são guardados e acumulados em um freezer, mas não são descartados há quase dois anos. O problema foi detectado em vistoria da DPE ainda no mês de maio, realizada pelo defensor público Evandro Kappes. Na época, foi elaborado relatório e enviado ofício ao Município com o pedido urgente de providências. O assunto foi debatido na última quinta-feira, 31, em reunião na sede da DPE com a participação da secretária municipal de Saúde de Taguatinga, Sirlene Pereira dos Santos; a coordenadora de atenção básica, Fabíola de Oliveira Rodrigues Costa, e o defensor público Evandro Kappes. Além do lixo hospitalar, o encontro debateu outras questões detectadas na vistoria, como falta de material básico para atendimento, equipamentos deteriorados, equipamentos novos adquiridos e não são utilizados há mais de um ano e climatização nas salas, dentre outros. PROVIDÊNCIAS Na reunião, a secretária municipal de Saúde informou que, após a recomendação da Defensoria Pública, foi providenciado um caminhão que recolheu boa parte do lixo, mas que ainda há resíduo que excedeu a capacidade do transporte. Segundo ela, a previsão de recolher o material restante é para a próxima sexta-feira (07). Quanto à falta da coleta nos postos do Município, foi informado que não está acontecendo pelo mesmo motivo do lixo hospitalar, que aguarda transporte e está previsto na próxima etapa. No local, há equipamentos novos parados há quase um ano, que não foram instalados porque não cabem nas salas. Quanto ao problema, a secretária informou que está aguardando processo licitatório para dar início à reforma do hospital, o que prevê ainda a instalação dos aparelhos, já que os mesmos não foram instalados por falta de espaço. Os exames do Hospital de Taguatinga são expedidos manualmente, aguardando a cotação de preços para automatizar os sistemas para que os exames sejam impressos. O encontro debateu ainda a precariedade das ambulâncias e frota de veículos, estrutura deteriorada, falta de profissionais para equipe médica e enfermagem, arquivamento de ficha de pacientes, higiene do espaço e aparelhos quebrados, dentre outras questões.

Comentários (0)

Mais Notícias

Protesto

Moradores plantam pés de banana no meio de rua esburacada no norte do Estado

Moradores também reclamaram do atraso nas obras de pavimentação.

Trânsito

Acidente em rotatória mata jovem e deixa outro gravemente ferido em Palmas

Moradores reclamam que não há iluminação e a sinalização é precária na rotatória.

Notícias falsas

TSE vai anunciar medidas contra fake news após tensão entre Haddad e Bolsonaro

A semana que passou foi tensa, pois Haddad acusou Bolsonaro de estar por trás do esquema.

Concurso PM

Por requisição do MPE, PM vai apurar falhas no concurso para soldado e oficial

Cerca de 16 candidatos são acusados de fraudar as provas para o concurso da PM do Tocantins

Educação

Quase 130 professores de Araguaína ganham progressões salariais na carreira

Os educadores que subiram de nível receberão aumento em seus salários a partir de fevereiro de 2019

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.