Imoralidade

Gasto com auxílio-moradia no Tocantins chega a R$ 47,7 milhões e daria para construir 1.193 casas populares

Por Redação AF
Comentários (0)

18/07/2017 19h28 - Atualizado há 2 meses
No Tocantins, os gastos com auxílio-moradia pago aos deputados estaduais, conselheiros titulares e substitutos do Tribunal de Contas, procuradores de Contas, procuradores e promotores de Justiça e juízes já custaram R$ 47,720 milhões. O levantamento foi realizado pelo Jornal do Tocantins e considera o período de 2015 até junho deste ano. O auxílio-moradia é pago em caráter indenizatório para os membros do Judiciário, da Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Ministério Público Estadual (MPE). PARA QUEM GANHA MAIS E JÁ TEM CASA PRÓPRIA Um dos pontos que causa polêmica é que o benefício é restrito aos servidores públicos que recebem os maiores salários, geralmente mais de R$ 20 mil por mês. Outra imoralidade é que o auxílio-moradia é garantido até mesmo aos beneficiários que já possuem residência própria. Só não é pago se o servidor morar em residência oficial, custeada pelo Poder Público. ALGUNS ABREM MÃO Por entenderem a imoralidade do pagamento do auxílio, alguns não aceitam o benefício. Mas, poucos falam sobre o assunto para não se indispor com os colegas. No Ministério Público existem promotores que abriram mão do benefício, mas preferem não ser identificados. Na Assembleia Legislativa, a transparência permite verificar quem deixou de receber os recursos, são eles: Paulo Mourão (PT), Olyntho Neto (PSDT), Luana Ribeiro (PDT), Eli Borges (PROS) e Ricardo Ayres (PSB). MINISTÉRIO PÚBLICO TEM O MAIOR VALOR O maior auxílio-moradia pago no Tocantins é o do MPE, R$ 4.377,77 mensal para os promotores e procuradores de Justiça. Seguido do TCE, R$ 4.377,73, que são pagos aos conselheiros, conselheiros substitutos e procuradores do Ministério Público de Contas. Os deputados estaduais têm direito a um benefício mensal de R$ 3,8 mil. O menor valor pago é o dos magistrados, mas também a maior quantidade de beneficiados, R$ 2.481,89. Por ano e no montante total, o Judiciário registra os maiores valores pagos, foram: R$ 6,882 milhões em 2015, R$ 6,802 milhões em 2016, e R$ 3,344 milhões este ano, um total de R$ 17 milhões. Em segundo lugar, fica o MPE com um gasto médio anual de R$ 5,871 milhões, com um montante total de R$ 14,6 milhões Já o TCE registrou o terceiro maior gasto com auxílio-moradia, R$ 13,7 milhões. Em quarto lugar, está a Assembleia Legislativa com uma soma de 2015 a 2017 de R$ 2,242 milhões MAIS DE 1.190 CASAS POPULARES Se esse dinheiro fosse revertido em casas populares para famílias de baixa renda, daria para construir cerca de 1.190 casas populares considerando o custo de R$ 40 mil por unidade.

Comentários (0)

Mais Notícias

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Ipueiras (TO)

Ex-prefeito é denunciado por não repassar empréstimos consignados aos bancos

Dezenas de funcionários foram lesados e tiveram seus nomes negativados no SPC/Serasa.

Caso Gislane

Mulher é presa suspeita de encomendar morte de jovem por ciúmes do namorado

A PM prendeu Marcela ainda dentro do ônibus quando chegava a cidade de Cristalândia

Animal Silvestre

Tamanduá-bandeira é capturado dentro de casa em Araguaína e solto na natureza

O animal foi colocado numa gaiola e solto em uma área verde próximo à cidade.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.