Natividade

Mãe e filhas passam a morar em hospital para fugir de estuprador; MPTO busca aluguel social

Mulher não voltou mais para casa com medo do ex-companheiro.

Por Redação 883
Comentários (0)

11/07/2023 14h42 - Atualizado há 1 ano
Mãe e duas filhas estão há uma semana no Hospital de Pequeno Porte de Natividade

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) ingressou com ação na Justiça, nesta segunda-feira (10), visando obrigar o município de Natividade a garantir moradia para uma mulher e duas filhas crianças que estão abrigadas, de forma inapropriada, no Hospital de Pequeno Porte de Natividade.

Elas encontram-se em uma sala destinada a pacientes do hospital desde o dia 4 de julho, quando veio à tona que uma das meninas sofria estupros do padrasto há diversos anos.

Diante dessa revelação, a mãe registrou ocorrência na Central de Flagrantes da Polícia Civil e não retornou mais para casa com suas duas filhas por temer represálias por parte do ex-companheiro. Além disso, a família morava em uma casa de fazenda cedida pelo ex-patrão do agressor e que, diante da ocorrência, esta residência agora será desocupada.

Na ação judicial, a Promotoria de Justiça de Natividade afirma que a moradia é um direito fundamental garantido pela Constituição Federal e que é atribuição do poder público instituir programas e projetos da área habitacional. Além disso, o MPTO afirma a necessidade de abrigamento urgente da mãe e das duas crianças, dada a situação de risco e de vulnerabilidade social da família. As meninas têm idade de 11 anos e de 9 anos.

A solução apontada pela Promotoria de Justiça de Natividade é o chamado “aluguel social”, em que o poder público oferece o custeio para o aluguel até que a família consiga um novo lugar para morar ou que seja atendida por programa habitacional.

Conforme a Promotoria de Justiça de Natividade, a solução do aluguel social, inclusive, seria mais vantajosa para o Município do que custear o acolhimento institucional das crianças, alternativa esta que demanda infraestrutura física e disponibilidade permanente de uma equipe de profissionais.

A ação civil pública que pede as providências foi proposta pelo promotor de Justiça Eurico Greco Puppio e encontra-se tramitando na 1ª Escrivania Cível de Natividade.

Promotoria de Justiça de Natividade

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.