Julgamento

Ministra do TSE vota pela absolvição de Marcelo Miranda da acusação de caixa 2 por falta de provas

Por Redação AF
Comentários (0)

28/03/2017 22h24 - Atualizado há 1 semana
A ministra relatora do recurso eleitoral no TSE, Luciana Lóssio, votou, nesta terça-feira (28), pela não cassação dos diplomas do governador Marcelo Miranda (PMDB) e da vice Claudia Lelis (PV) ao argumento de que existem apenas "meras conjecturas e presunções" de que o dinheiro seria destinado à campanha eleitoral de 2014, sem um "juízo de certeza". O governador é acusado de caixa 2 (captação ilícita de recursos) durante as eleições de 2014, quando um avião foi apreendido em Goiás com R$ 500 mil em dinheiro e santinhos de políticos do Tocantins, entre eles de Marcelo Miranda. Segundo a ministra, "a campanha não chegou a ser beneficiada por tais condutas, devendo ser preservado o resultado das urnas". "Não afetou a lisura e a igualdade do pleito eleitoral", acrescentou. O julgamento foi interrompido após pedido de vistas do ministro Luiz Fux, que seria o próximo a votar. Prova ilícita A principal prova de que os presos mantiveram contato com dirigentes da campanha eleitoral do governador, obtidas através de diálogos no WhatsApp, foi considerada ilícita por falta de autorização judicial para a quebra do sigilo telefônico. Assim, os documentos foram desconsiderados no voto da relatora. “O acesso aos dados de celular sem autorização judicial constitui violação à intimidade”, disse Lóssio. Segundo a relatora, a acusação de caixa 2 contra o governador ficou fragilizada com o depoimento de um dos delegados da polícia civil de Goiás, ao afirmar que "advogados orientaram os presos a dizer que o dinheiro seria destinado à campanha eleitoral para agilizar a liberação". Coligação de Ataídes Oliveira pede absolvição de Marcelo Um fato chamou a atenção no voto da relatora. A Coligação Reage Tocantins, do senador Ataídes Oliveira, que também disputou as eleições 2014, recorreu pedindo a cassação dos diplomas de Marcelo e Cláudia, mas ao final pediu a improcedência da representação do Ministério Público Eleitoral. Contudo, a relatora não conheceu [aceitou] o recurso da coligação ao constatar que advogados do mesmo escritório estavam representando interesses opostos, o que é proibido no Estatuto da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, além de considerar que a coligação adotou um "comportamento contraditório". Acusação O pedido de cassação do governador sustenta que os acusados "inventaram um documento" (contrato simulado de empréstimo) tentando justificar que o dinheiro seria destinado a pagar dívidas pessoais de Douglas Alencar Schmitt – um dos presos no avião. "Quer que acreditemos que uma empresa emprestou mais de R$ 1,5 milhão para um devedor contumaz e sem movimentação financeira compatível.  Quer que acreditemos que uma simples ligação conseguiu marcar uma reunião com o irmão do governador em outra cidade [Goiânia] sem sequer conhecê-lo. Quer que acreditemos que o irmão do governador pagou a conta do hotel no valor de mil reais só porque ele não conseguiu sacar dinheiro. Quer que acreditemos que seja coincidência que o avião [apreendido com o dinheiro] e a caminhonete [usada por Douglas] foram [também] utilizadas na campanha do PMDB e que até a senha do celular [de Douglas] era 1515". O Ministério Público Eleitoral afirmou que Douglas captou a quantia de R$ 1,5 milhão numa empresa de factoring, em Brasília, sob a orientação de dirigentes de campanha eleitoral, entre eles do irmão do governador, José Edmar Brito Júnior. Ainda segundo o MPE, os valores foram dissipados em várias contas para conferir licitude, mas os registros de diálogos no WhatsApp comprovam que o dinheiro seria para a campanha eleitoral. "Há elementos mais do que suficientes para mostrar a prática de Caixa 2", afirmou o procurador eleitoral. Defesa do governador Já a defesa do governador buscou desqualificar a investigação conduzida pela Polícia Civil de Goiás, que investigava tráfico de drogas na ocasião da apreensão do dinheiro no avião. "Uma polícia especializada em tráfico de drogas passou a investigar um ilícito eleitoral. Daí começam os desmandos", criticou a defesa, argumentando ainda que todos os santinhos encontrados na aeronave eram da campanha do deputado federal Carlos Gaguim. "Nenhum da campanha do governador Marcelo Miranda", acrescentou.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.