Peritos Médicos

Peritos do INSS cruzam os braços por reajuste salarial e concurso: 'faltam 3 mil servidores'

A categoria têm 18 reivindicações principais.

Por Redação
Comentários (0)

08/02/2022 09h18 - Atualizado há 6 meses
O INSS foi um dos órgãos mais afetados com os cortes do governo Bolsonaro

Peritos médicos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) realizam, nesta terça e quarta-feira, dias 8 e 9, uma paralisação nacional para protestar contra o governo. Segundo a ANMP (Associação Nacional dos Peritos Médicos), a paralisação deve afetar a realização de até 50 mil perícias médicas agendadas pelo INSS. No último dia 31, um protesto dos profissionais já havia afetado 25 mil atendimentos.

Segundo uma portaria do INSS publicada em setembro do ano passado, quem tiver a perícia cancelada pela paralisação dos servidores deverá ter o atendimento remarcado até as 12h do dia seguinte ao cancelamento. Cidadãos precisam fazer a perícia médica para receber benefícios como o BPC (Benefício de Prestação Continuada) e o auxílio-doença.

O que pedem os peritos

A ANMP enviou ofícios ao Ministério do Trabalho e Previdência, pedindo o atendimento a 18 reivindicações. Entre elas estão a concessão de reajuste salarial de 19,99% e a fixação de um número máximo de 12 atendimentos presenciais como meta diária.

Os profissionais também pedem a realização imediata de um concurso público, afirmando que faltam três mil servidores para dar conta da carga de trabalho. "Apesar das promessas feitas pelo ministro de Estado [Onyx Lorenzoni, do Trabalho e Previdência], nenhuma ação foi tomada pela autoridade máxima do órgão e a situação caótica que assolava a categoria não apenas se manteve, como foi profundamente agravada", afirma nota produzida pela entidade. A ANMP diz que, caso as negociações não avancem, pode ocorrer uma greve geral dos peritos do INSS. 

Corte no orçamento

O INSS foi um dos órgãos mais afetados pelos vetos a gastos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro no Orçamento de 2022. O órgão teve cortados R$ 988 milhões, que seriam usados para administração, gestão e processamento de dados. Como um todo, o Ministério do Trabalho e Previdência perdeu R$ 1 bilhão em verbas 

Com informações do Uol.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.