Operação Apoio Zero

PF investiga supostos desvios de recursos entre UFT e Fapto; R$ 1,4 milhão pararam em contas particulares

Por Redação AF
Comentários (0)

17/12/2015 09h24 - Atualizado há 2 meses
A Polícia Federal (PF) em trabalho conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) deflagraram na manhã desta quinta-feira (17), a Operação Apoio Zero. A ação visa desarticular um suposto esquema de desvio de recursos públicos envolvendo repasses financeiros da Universidade Federal do Tocantins (UFT) para execução de projetos de ensino, pesquisa e extensão pela Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (Fapto). Ao todo estão sendo cumpridos pela Polícia Federal 10 mandados de busca e apreensão e oito mandados de condução coercitiva, com a participação de mais de 40 policiais federais e 11 servidores da CGU, nos municípios de Palmas (TO), Gurupi (TO), Porto Nacional (TO) e Rio de Janeiro (RJ). Servidores do alto escalão Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Tocantins e são alvos um ex e um atual dirigente da Fapto e um servidor público da alta administração da UFT, além de empresários e pessoas físicas ligadas aos alvos. A análise de extratos bancários da FAPTO, obtidos mediante autorização judicial, aponta que só no ano de 2014 foram movimentados R$ 6.629.797,37 entre as contas correntes específicas de diversos projetos da Fapto e as contas genéricas da administração da UFT. De acordo com a PF, as investigações, iniciadas em julho deste ano e apontam diversas irregularidades em várias movimentações financeiras dos recursos da UFT que eram destinados à FAPTO. Conforme a apuração, a verba era retirada da conta específica dos projetos e transferidas para contas genéricas da administração da Fundação, o que contraria a legislação que trata sobre as relações entre instituições federais de ensino superior e instituições de apoio. R$ 1,4 milhão em contas particulares Em 2014, pouco mais de R$ 4 milhões foram retirados de contas específicas de projetos e destinadas à contas genéricas da Fapto. No mesmo ano, cerca de R$ 2,6 milhões fizeram o caminho inverso, ou seja, foram transferidas das contas genéricas para contas específicas. Segundo as investigações, as suspeitas de desvio de recursos públicos recaem na diferença desses valores, aproximadamente R$ 1,4 milhão, que foram parar em contas particulares, sem a devida comprovação da sua aplicação na execução dos projetos.    

Comentários (0)

Mais Notícias

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Ipueiras (TO)

Ex-prefeito é denunciado por não repassar empréstimos consignados aos bancos

Dezenas de funcionários foram lesados e tiveram seus nomes negativados no SPC/Serasa.

Caso Gislane

Mulher é presa suspeita de encomendar morte de jovem por ciúmes do namorado

A PM prendeu Marcela ainda dentro do ônibus quando chegava a cidade de Cristalândia

Animal Silvestre

Tamanduá-bandeira é capturado dentro de casa em Araguaína e solto na natureza

O animal foi colocado numa gaiola e solto em uma área verde próximo à cidade.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.