Estado

PT do Tocantins suspende direitos partidários de filiados que estão no governo Miranda

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

04/09/2017 16h27 - Atualizado há 1 mês
O diretório do Partido dos Trabalhadores (PT) no Tocantins suspendeu os direitos partidários de filiados que ainda permanecem no governo de Marcelo Miranda (PMDB). A decisão foi tomada por 25 votos a 14 em reunião realizada neste sábado (02). A determinação do diretório era que os integrantes do partido deixassem os cargos no mês de junho. A decisão atinge Gleidy Braga, secretária de Cidadania e Justiça; Pedro Dias Corrêa, presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins (Ruraltins); e Milne Freitas, superintendente de Desenvolvimento Regional da Secretaria de Planejamento (Seplan) e suplente de deputado federal. Todos pertencem à corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), derrotada nas eleições internas do PT. Segundo o atual presidente do PT no Tocantins, deputado estadual Zé Roberto, como a determinação não foi cumprida, os filiados foram punidos com a pena prevista no artigo 228, inciso IV, do estatuto partidário. Militantes da corrente CNB repudiaram a postura adotada por Zé Roberto e acrescentaram que ele foi ‘ditatorial e arbitrário na condução de todo o processo’. “Diante do flagrante desrespeito às normas internas do partido e dos direitos constitucionais dos representados, informamos desde já, que o caso será levado à apreciação do Diretório Nacional, onde buscaremos com todas as forças a anulação dessa decisão arbitrária”, afirmaram. Os integrantes ainda acrescentaram que o presidente do PT está querendo tirar do processo eleitoral de 2018 potenciais candidatos a deputado. “O presidente quer ainda afastar do processo político eleitoral de 2018 potenciais candidatos a deputado estadual, aplicando a esses a suspensão de seus direitos políticos partidários por dois anos, praticamente inviabilizando a participação da corrente CNB no próximo pleito eleitoral. O que deixaria o caminho livre ao parlamentar à conquista de um novo mandato nas eleições de 2018, o que pode descaracterizar o processo democrático de escolha de possíveis nomes da sigla”, pontuaram. AMÁLIA SANTANA A deputada estadual Amália Santana (PT), que também integra a corrente interna CNB Tocantins, lamentou a decisão do partido de suspender os direitos partidários dos membros que, contrariando as orientações do diretório estadual, continuaram no governo de Marcelo Miranda. Amália também considerou a decisão 'arbitrária'. “Essa é uma arbitrariedade sem tamanho, uma verdadeira vingança de um presidente que não perdoa quem não se curva aos seus desmandos”, explicou. “As penas foram impostas apenas a membros da CNB, pessoas de luta, fiéis engajadas na causa e que deram a vida para a construção do partido”, finalizou a parlamentar.

Comentários (0)

Mais Notícias

Protesto

Moradores plantam pés de banana no meio de rua esburacada no norte do Estado

Moradores também reclamaram do atraso nas obras de pavimentação.

Trânsito

Acidente em rotatória mata jovem e deixa outro gravemente ferido em Palmas

Moradores reclamam que não há iluminação e a sinalização é precária na rotatória.

Notícias falsas

TSE vai anunciar medidas contra fake news após tensão entre Haddad e Bolsonaro

A semana que passou foi tensa, pois Haddad acusou Bolsonaro de estar por trás do esquema.

Concurso PM

Por requisição do MPE, PM vai apurar falhas no concurso para soldado e oficial

Cerca de 16 candidatos são acusados de fraudar as provas para o concurso da PM do Tocantins

Educação

Quase 130 professores de Araguaína ganham progressões salariais na carreira

Os educadores que subiram de nível receberão aumento em seus salários a partir de fevereiro de 2019

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.