MPTO

Raio-x da educação no Tocantins durante a pandemia aponta descaso e cenário caótico

Relatório será debatido entre Ministério Público e secretários de Educação.

Por Redação 638
Comentários (0)

29/11/2021 17h53 - Atualizado há 1 mês
Promotor de Justiça Sidney Fiori Júnior

Um diagnóstico sobre a educação no Tocantins no contexto da pandemia e pós-pandemia, elaborado por diversas entidades estaduais, será objeto de discussão entre secretários dos municípios tocantinenses e integrantes do Ministério Público do Tocantins (MPTO), nos dias 29 e 30 de novembro, em Palmas. 

As discussões acontecerão no âmbito do “IV Ciclo de Debates sobre Educação e Atuação do Ministério Público”, que tem por tema "a garantia do direito à educação no contexto da pandemia e pós-pandemia'. 

Conforme explicou o coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (Caopije), promotor de Justiça Sidney Fiori Júnior, os debates são pautados em um diagnóstico de nível estadual e nas vivências da Rede ColaborAção Tocantins, que foi formado por um conjunto de entidades para discutir a gestão educacional no período da pandemia.

Diagnóstico

Conforme o diagnóstico, as aulas na rede pública no Tocantins foram suspensas em março de 2020 diante de um quadro de completa ausência de diretriz nacional e de falta de colaboração entre Estado e municípios, sobre a continuidade do serviço.

Conforme o relatório, 58% dos alunos das redes públicas do Tocantins vivem em famílias economicamente vulneráveis e 83,7% dos alunos não possuem computador ou acesso à internet banda larga.

Verificou-se também que apenas em 66% dos municípios, os professores e as coordenações pedagógicas receberam, simultaneamente, formação para a oferta do ensino remoto. Também foi diagnosticado que em 41,7% das cidades, nem os estudantes nem os seus familiares receberam orientações para o ensino remoto.

Mesmo diante desse quadro de despreparo, somente 0,6% das escolas iniciaram o ano letivo de 2021 de forma presencial e 4,7% de forma híbrida, enquanto nas demais o ensino ainda foi integralmente remoto, sem a presença do aluno. Constatou-se ainda que 32% professores da rede pública não são efetivos, o que dificulta a sua formação.

A conclusão é que ocorreu falta priorização da aprendizagem, atividades pedagógicas desconexas, com ausência de acompanhamento e plantões pedagógicos, ausência de planejamento em geral, falta de entendimento da perspectiva para educação na vida do aluno e descaso com a necessidade de formação dos profissionais.

Conforme os números mais atuais, de novembro, 101 cidades encontram-se oferecendo ensino híbrido, 35 o ensino remoto e somente três o ensino presencial.

Avaliação

O coordenador da Comissão Permanente de Educação do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (Copeduc/CNPG), Lucas Sachsida Junqueira Carneiro, realizou palestra no evento, informando que o Brasil foi um dos últimos países a restabelecer o ensino presencial.

Ele avaliou que, durante o primeiro um ano e meio da pandemia de Covid-19, o Brasil viveu uma completa situação de inconstitucionalidade no que se refere à oferta do ensino, que deveria ter sido reconhecido pelos gestores como um direito fundamental, tratado de forma prioritária e garantido universalmente a todas as crianças e adolescentes em idade escolar.

Conforme sua explanação, quando as atividades comerciais, recreativas e esportivas já estavam restabelecidas, as escolas continuavam fechadas, contrariando-se orientações da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Lucas Sachsida também avaliou que esta situação acarretou índices elevados de abandono e evasão escolar, o que deverá ser refletido no aumento da pobreza, da desigualdade social e da criminalidade, que se agravam em situações de falta de investimento na educação.

Lucas Sachsida Junqueira Carneiro
Presidente da Undime Francinete Ribeiro Ferreira Fonseca

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.