Na região norte

Após 33 anos, cerca de 50 toneladas de fósseis são devolvidas a monumento natural no Tocantins

Esses fósseis constituem uma peça-chave do patrimônio científico mundial.

Por Redação 1.056
Comentários (0)

09/06/2023 08h05 - Atualizado há 1 ano
Fósseis vegetais têm elevado valor arqueológico e paleontológico

Cerca de 50 toneladas de materiais fósseis retirados do Monumento Natural de Árvores Fossilizadas (Monaf) foram devolvidos à Unidade de Conservação (UC) gerida pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins).

O translado de Brasília, onde as peças estavam armazenadas no pátio da Associação Brasileira de Inteligência (ABIN), a Bielândia, distrito de Filadélfia, na região norte do Tocantins, foi feito com apoio da Agência Nacional de Mineração (ANM). Na sede do Monaf, localizado no perímetro urbano do distrito, todo o material será alocado, ao longo deste mês, para a formação de um museu de história natural.

O material fóssil é protegido pela Constituição Federal (artigo 216, inciso V), em razão da relevância científica e cultural, não pode ser comercializado, conforme explica o supervisor do Monaf, Hermísio Aires, que avalia o retorno de peças às coleções de árvores fossilizadas do Estado como histórico para o Monaf e para a Paleontologia Brasileira, uma vez que esses fósseis seriam contrabandeados e, agora, retornaram ao lugar de origem. 

"Na década de 1990, foi coletado de forma indevida. E, agora, temos a alegria de estar recebendo esse material de grande importância para a Unidade de Conservação, para comunidade científica, e, também, para todos os visitantes que aqui poderão observar esse material na sede da unidade", destacou o supervisor. 

O retorno dos fósseis vegetais ao Tocantins, outrora, destinados ao tráfico, foi possível por meio de Ação Civil Pública do Ministério Público Federal (MPF), e constitui importante elemento da história natural do Tocantins e região norte.

"Instituições de ensino e pesquisa como a Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT), que recebeu doações, agora tem a possibilidade de ampliar suas pesquisas que vão permitir trazer apontamentos fundamentais para entendermos aspectos evolutivos e temporais de nossa região", pontuou Rodrigo Sávio, gerente das Unidades de Conservação.

Monaf

A sede do Monaf está situada em Bielândia, distrito de Filadélfia, região norte do Estado, e abrange uma área de 32.067 hectares de Cerrado. Sua zona de amortecimento engloba parte do município de Babaçulândia.

O Monaf tem este nome em função da existência de sítios paleontológicos e arqueológicos onde são encontrados os fósseis de árvores como pteridófitas, esfenófitas, coníferas e cicadácias. Tais fósseis constituem uma peça-chave do patrimônio científico mundial, tendo enorme importância para estudiosos que investigam florestas, o clima e a ecologia planetária do período Permiano.

Peças são protegidas pela Constituição Federal
Três caminhões carregados trouxeram os fósseis vegetais de Brasília ao Tocantins
Recebimento do material

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.