Corte de 25%

CNM critica Bolsonaro por redução do IPI e aponta perda bilionária aos municípios

Segundo entidade, perda no FPM será de R$ 4,826 bilhões.

Por Redação 838
Comentários (0)

02/03/2022 08h59 - Atualizado há 2 anos
Bolsonaro e ministro da Economia, Paulo Guedes

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) criticou a decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL) de reduzir a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a linha branca em 25%. Segundo a entidade, a medida, tomada às vésperas do feriado de Carnaval, pegou os Municípios de surpresa, que terão perdas estimadas em quase R$ 5 bilhões.

"Infelizmente, se repete o velho hábito de fazer caridade com o chapéu alheio. O IPI compõe a cesta de impostos que são compartilhados com os Municípios e é parte importante do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Isso significa que qualquer medida de renúncia fiscal do IPI adotada pelo governo federal tem impacto direto nos repasses aos Municípios, o que pode implicar em desequilíbrio orçamentário", afirmou a CNM.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, disse que essa forma de reduzir impostos compartilhados é usualmente utilizada por todos os governos e sempre causam grandes prejuízos aos Municípios. "Trata-se de uma política que fere gravemente o pacto federativo".

Segundo o Decreto publicado pelo Ministério da Economia, estima-se uma redução na arrecadação desse imposto no total de R$ 19,5 bilhões em 2022. Como os Municípios detêm 24,75% desse recurso, a perda no FPM será de R$ 4,826 bilhões. O montante representa cerca de 40% de um mês de FPM repassado a todos os 5.568 Municípios.

A CNM afirmou que vai reforçar sua atuação no Congresso Nacional no sentido de aprovar matérias que impõem ao governo federal medidas de compensação dos efeitos dessas reduções.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.