Nacional

Greve é deflagrada por auditores fiscais da Receita Federal a partir de 27 de dezembro

Operação padrão na fiscalização de importações e exportações.

Por Redação
Comentários (0)

24/12/2021 09h17 - Atualizado há 7 meses
Greve na Receita Federal do Brasil

Em protesto contra os cortes no orçamento da Receita Federal e a previsão de reajuste salarial apenas para as Forças de Segurança, os auditores fiscais decidiram entrar em greve. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (23/12), após reunião do Sindicato Nacional dos Auditores (Sindifisco), com mais de 97% de apoio entre os 4.287 participantes.

De acordo com o presidente do Sindifisco, Kleber Cabral, a mobilização começa na prática na próxima segunda-feira (27). Ele explica que a maior parte dos auditores vai aderir à paralisação, com exceção da área aduaneira, em que as atividades continuarão, mas em ritmo reduzido.

Com a greve aprovada, a operação padrão pode ter grande impacto nas importações e exportações, já que afeta órgãos responsáveis por controlar a entrada e saída de mercadorias.

Segundo o sindicato da categoria, foi decidido durante a assembleia, entre outras medidas, adotar a chamada “meta zero”, ou seja, deixar sem conclusão ações de fiscalização e não preencher relatórios. Também ficou acertado que nenhum auditor aceitará substituir os mais de 600 colegas que entregaram seus cargos de chefia. 

Os auditores querem que o governo regulamente o bônus de eficiência da categoria e recue nos cortes de orçamento previstos. Segundo o sindicato, a Receita foi uma das áreas que perdeu recursos para que fosse incluída no Orçamento da União a previsão de R$ 1,7 bilhão para reajustes salariais da área de segurança, como a Polícia Federal, base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL). 

JUDICIÁRIO

E a insatisfação não se restringe ao Executivo. A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), que representa juízes de todo o país, criticou a concessão de reajuste a “um único órgão às vésperas do ano eleitoral”. A entidade cobrou do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, uma “efetiva atuação” contra o que consideram violação das leis e da Constituição. 

Ao pressionar o Congresso para aprovação do reajuste a policiais, Bolsonaro ignorou os alertas do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que isso acarretaria pressão de outras categorias.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.