Tocantins

Justiça bloqueia R$ 3,9 milhões de prefeito e empresa que teria sido criada para pagamento de propinas

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

04/05/2017 15h11 - Atualizado há 3 meses
A Justiça determinou o bloqueio de R$ 3,9 milhões em bens do prefeito de Oliveira de Fátima (TO), Gesiel Orcelino dos Santos, de mais quatro pessoas e da empresa Lemos Construtora Eireli ME, que teria sido criada no início da gestão do prefeito com a finalidade viabilizar o pagamento de propinas ao chefe do Executivo e a seus familiares. A ação foi movida pelo Ministério Público Estadual e a decisão é liminar, ou seja, tem caráter provisório. O MPE afirmou que já protocolou recurso no Tribunal de Justiça (TJ), nesta quarta-feira (03/05), requerendo que seja atendido também o pedido de afastamento do prefeito. Investigações do Ministério Público apontam que o prefeito Gesiel Orcelino é sócio oculto da Lemos Construtora, que foi constituída no ano de 2013 e tornou-se um dos maiores fornecedores de bens e serviços da Prefeitura de Oliveira de Fátima. A empresa teria recebido R$ 587.465,14 em verbas públicas entre os anos de 2013 e 2015 e contaria com outros R$ 2.402.779,37 em pagamentos empenhados. Fernando Lemos Gonçalves, proprietário formal da empresa, seria “sócio laranja” de Gesiel Orcelino. As investigações apontam também para a existência de uma ligação estreita de amizade entre eles. Dados levantados a partir da quebra do sigilo bancário da empresa e dos demais envolvidos mostram que parte do valor pago pela Prefeitura à Lemos Construtora foi transferido posteriormente para as contas bancárias do prefeito Gesiel Orcelino; de sua esposa, Evandira Coelho Coutinho dos Santos; de sua enteada, Flávia Coelho Coutinho; e de sua cunhada, Leda Coelho Coutinho. A Prefeitura de Oliveira de Fátima ainda efetuou pagamentos diretamente a Fernando Lemos Gonçalves, que, por sua vez, também realizou transferências bancárias em favor do prefeito e de seus parentes. Ao todo, R$ 976.704,23 saíram dos cofres da Prefeitura para as contas bancárias da Lemos Construtora e de Fernando Lemos. Dessas duas contas, R$ 29.450,00 foram transferidos para o prefeito e seus parentes, em 41 operações bancárias. Do total de recursos bloqueados por meio da liminar, a maior parte (R$ 3.926.216,92) refere-se a bens do prefeito Gesiel Orcelino, de Fernando Lemos e da empresa Lemos Construtora. O restante é aplicado sobre bens de Evandira Coelho Coutinho dos Santos, Leda Coelho Coutinho e Flávia Coelho Coutinho. Além do bloqueio de bens, a liminar também determina a suspensão de pagamentos da Prefeitura de Oliveira de Fátima para a Lemos Construtora e para o seu proprietário formal, Fernando Lemos Gonçalves. A Ação Civil Pública referente ao caso é assinada pelos promotores de justiça Vinícius de Oliveira e Silva, Abel Andrade Leal Júnior, André Ricardo Fonseca Carvalho e Márcia Mirele Stefanello Valente. Afastamento O MPE requereu o afastamento de Gesiel Orcelino dos Santos do cargo de prefeito apontando que ele estaria interferindo na produção de provas. Há registro de ameaças a duas testemunhas do processo, realizadas por intermédio de Fernando Lemos. Uma das testemunhas teria sofrido ameaças de morte, segundo registrado em Boletim de Ocorrência. Consta, ainda, que o prefeito estaria tentando forjar documentos para interferir na instrução do processo. O MPE também pede o afastamento de familiares de Gesiel Orcelino que se encontram em cargos da Prefeitura e que são parte na Ação Civil Pública: Evandira Coelho, esposa do prefeito e secretária de Assistência Social; Leda Coelho, cunhada do prefeito e secretária de Finanças; e Flávia Coelho, enteada do prefeito e secretária de Controle Interno. Outras irregularidades A ACP movida pelo Ministério Público Estadual aponta diversas outras irregularidades efetuadas na gestão de Gesiel Orcelino dos Santos, incluindo a locação de uma caminhonete L200 para uso pessoal do prefeito, inclusive nos finais de semana, em bares e festas, e em viagens para cidades vizinhas, para fora do Estado e até para o exterior (Paraguai). Também é apontado que o prefeito adquiriu um imóvel rural com recursos públicos para uso particular, destinado à criação de gado e a descanso em finais de semana. Inclusive, maquinário públicos e servidores do município teriam sido utilizados na construção de benfeitorias na propriedade rural. Consta, também, que o prefeito teria coagido a proprietária de um imóvel residencial urbano locado à Prefeitura, para que ela adulterasse a documentação referente à locação. A finalidade seria justificar despesas e burlar fiscalização do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ainda é relatado que recursos públicos da Prefeitura de Oliveira de Fátima teriam sido desviados para a promoção da festa pessoal de posse de Gesiel Orcelino no cargo de prefeito.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.