Investigação

MPTO conclui que delegado não violou prerrogativas de advogados e arquiva inquérito em Palmas

Fatos ocorreram no dia 9 de dezembro de 2023, em Palmas.

Por Redação 577
Comentários (0)

24/04/2024 17h07 - Atualizado há 1 mês
Sede do MPTO em Palmas

Notícias do Tocantins - O Ministério Público do Tocantins (MPTO) decidiu, nesta terça-feira (23/04), arquivar um inquérito que apurava um caso de possível violação às prerrogativas dos advogados e dos policiais civis supostamente praticado por um delegado da Polícia Civil.

O caso teve origem na notícia de que dois advogados teriam sido impedidos de acompanhar o depoimento de uma testemunha, colhido como parte de um inquérito instaurado contra uma policial civil. Os fatos ocorreram no dia 9 de dezembro de 2023, em Palmas.

Além do impedimento de acesso ao interrogatório, também foi apurada a alegação de que o delegado participante da oitiva não teria competência para conduzir o inquérito.

Segundo o denunciante, teria ocorrido ofensa à prerrogativa dos advogados de prestarem assistência aos clientes investigados durante as apurações (artigo 7º, inciso XXI, alínea “a”, da Lei nº 8.906/1994) e à prerrogativa de policiais civis de serem investigados em inquéritos conduzidos pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil (artigo 45, inciso VII, do Decreto Estadual n° 5.979/2018).

Participação de advogado em oitiva de testemunha

No que se refere à exclusão dos advogados da oitiva de testemunhas, o MPTO levantou que a lei garante à defesa o direito de acompanhar o interrogatório de seus clientes, mas não o interrogatório de outros investigados ou testemunhas.

Ou seja, embora o Estatuto da Ordem dos Advogados preveja a assistência dos advogados aos seus clientes durante interrogatórios e depoimentos, essa prerrogativa não se estende a todos os atos de investigação, a exemplo da oitiva de testemunhas.

Princípio do "Delegado de Polícia Natural"

Em relação à competência do delegado, foi apurado que o inquérito era, de fato, conduzido pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil e que o titular da 1ª Divisão Especializada de Homicídios e Proteção às Pessoas (DHPP-Palmas) foi designado para auxiliar em ato da investigação.

O MPTO também concluiu que a ordem jurídica vigente não contempla a figura do "Delegado de Polícia Natural" e que, em decorrência do poder hierárquico, os atos administrativos podem ser avocados, delegados ou redistribuídos a outras autoridades policiais. Assim, não teria ocorrido a usurpação de atribuições quando a Corregedoria-Geral de Polícia designou delegado de polícia para atuar, em colaboração, na apuração de fatos que envolvem a policial civil.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.