Artigo

O emblemático caso Fernando Leiser no Tribunal de Justiça do Tocantins - por Li­be­ra­to Pó­voa

Desembargador aposentado relata um dos maiores absurdos da história do TJTO.

Por Redação 5.732
Comentários (0)

03/03/2019 17h29 - Atualizado há 8 meses
Sede do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins

A dis­tri­bui­ção de pro­ces­sos em um tri­bu­nal – qual­quer que se­ja ele – é de su­ma im­por­tân­cia, pois, sa­ben­do-se da po­si­ção de um de­sem­bar­ga­dor, po­de-se di­re­cio­nar o pro­ces­so pa­ra aque­le jul­ga­dor; is­to, sem se fa­lar ser per­fei­ta­men­te pos­sí­vel com­bi­nar com ele a con­ces­são de uma li­mi­nar, em tro­ca de fa­vor, de trá­fi­co de in­flu­ên­cia ou mes­mo da de­plo­rá­vel com­pra e ven­da de de­ci­sões.

Em ra­zão da gra­vi­da­de de uma dis­tri­bui­ção ma­ni­pu­la­da, o STJ re­ce­be­ra, em 2004, de­nún­cia con­tra um de­sem­bar­ga­dor fe­de­ral do TRF da 3ª Re­gi­ão e afas­ta­ra cin­co ser­vi­do­res do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Rio de Ja­nei­ro. E até pu­bli­quei na mi­nha co­lu­na “Ju­di­ci­á­rio” de 09/05/2004, no “Jor­nal do To­can­tins”, uma no­ta so­bre ma­ni­pu­la­ção de dis­tri­bui­ção de pro­ces­sos.

Na ges­tão Mar­co Vil­las Bo­as (2003/2005) no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, tor­nou-se pra­xe aten­der aos in­te­res­ses prin­ci­pal­men­te do Exe­cu­ti­vo, usan­do des­se es­cu­so ex­pe­di­en­te.

No lon­gín­quo 2004, a vez de ocu­par a Pre­si­dên­cia do Tri­bu­nal to­can­ti­nen­se era do de­sem­bar­ga­dor Ama­do Cil­ton Ro­sa, o mais an­ti­go na li­nha de su­ces­são de Mar­co Vil­las Bo­as, que, “co­in­ci­den­te­men­te”, ti­nha si­do es­co­lhi­do pre­si­den­te, ape­sar de ter na sua fren­te qua­tro mais an­ti­gos, por­que se fez uma ajei­ta­dei­ra: os que eram mais an­ti­gos sim­ples­men­te re­nun­ci­a­ram a con­cor­rer (Dal­va Ma­ga­lhã­es, Wil­la­ma­ra Lei­la e Da­ni­el Negry), pa­ra evi­tar cons­tran­gi­men­tos, e hou­ve um fa­to que só ocor­reu no To­can­tins, quan­do a de­sem­bar­ga­do­ra Jac­que­li­ne Ador­no de la Cruz Bar­bo­sa, com me­nos de dois mes­es de no­me­a­da de­sem­bar­ga­do­ra, foi es­co­lhi­da vi­ce de Mar­co Vil­las Bo­as, co­mo que­ria o Exe­cu­ti­vo.

Pa­ra su­ce­der Mar­co Vil­las Bo­as, a vez era de Ama­do Cil­ton, um dos se­te da pri­mei­ra com­po­si­ção do Tri­bu­nal, em 1989. Mas ele, pe­la sua in­de­pen­dên­cia, era “per­so­na non gra­ta” do Pa­lá­cio Ara­gu­aia. De fa­to, lo­go o sem­pre ar­ti­cu­la­dor do “si­quei­ris­mo”, de­sem­bar­ga­dor Jo­sé Ma­ria das Ne­ves, bus­can­do “ca­var” uma ine­le­gi­bi­li­da­de pa­ra Ama­do Cil­ton, in­du­ziu a de­sem­bar­ga­do­ra Dal­va Ma­ga­lhã­es (que fo­ra pre­te­ri­da por Vil­las Bo­as na elei­ção an­te­ri­or) a in­gres­sar em 29/11/2004 (uma se­gun­da-fei­ra) com o Man­da­do de Se­gu­ran­ça (MS) nº 2.185/04, que ti­nha pres­sa na de­ci­são li­mi­nar, pois no dia 02 de de­zem­bro (a quin­ta-fei­ra se­guin­te) se­ria a es­co­lha do no­vo pre­si­den­te, que sub­sti­tu­i­ria Mar­co Vil­las Bo­as.

Co­mo o in­te­res­se da cú­pu­la do Exe­cu­ti­vo era dar con­ti­nui­da­de ao “si­quei­ris­mo”, a es­co­lha de Ama­do iria que­brar a cor­ren­te con­ti­nuís­ta. Daí ter Jo­sé Ma­ria das Ne­ves in­du­zi­do Dal­va Ma­ga­lhã­es a im­pe­trar o MS pa­ra ob­star a es­co­lha de Ama­do. Mas a ação man­da­men­tal po­de­ria ca­ir na re­la­to­ria de al­guém não “con­fi­á­vel”.

Aí ocor­reu um dos mai­o­res ab­sur­dos do Tri­bu­nal: a dis­tri­bui­ção di­ri­gi­da de pro­ces­sos, que de há mui­to, vi­nha sen­do dis­cu­ti­da, in­clu­si­ve por mim, que, atra­vés da mi­nha co­lu­na do­mi­ni­cal “Ju­di­ci­á­rio”, no “Jor­nal do To­can­tins”, le­van­ta­ra a ques­tão, que se es­ten­de­ra ao Fó­rum de Pal­mas e de Co­li­nas do To­can­tins, on­de pas­sou a dis­tri­bui­ção a ser di­ri­gi­da.

E o fei­to foi dis­tri­bu­í­do, co­mo que­ri­am, pa­ra o de­sem­bar­ga­dor Jo­sé Ma­ria das Ne­ves, que in­du­zi­ra Dal­va, o que ga­ran­ti­ria a ine­le­gi­bi­li­da­de de Ama­do, já que era cer­ta a en­co­men­da­da li­mi­nar.

A dis­tri­bui­ção era co­man­da­da pe­la ser­vi­do­ra An­dréia Tei­xei­ra Ma­ri­nho Bar­bo­sa, fi­el es­cu­dei­ra de Mar­co Vil­las Bo­as, que fa­zia o se­guin­te: pro­gra­ma­va no com­pu­ta­dor que to­dos os de­sem­bar­ga­do­res eram “im­pe­di­dos”, à ex­ce­ção da­que­le que que­ri­am que fos­se o re­la­tor. As­sim, o com­pu­ta­dor sor­te­a­va: os “im­pe­di­dos” iam sen­do des­car­ta­dos, e a dis­tri­bui­ção pros­se­guia até que se che­gas­se ao “es­co­lhi­do”. E o ab­sur­do foi tão gran­de, que, no sor­teio do man­da­do de se­gu­ran­ça de Dal­va Ma­ga­lhã­es, o com­pu­ta­dor fez na­da me­nos que 92 (no­ven­ta e du­as) ten­ta­ti­vas, até que caís­se no pre­vi­a­men­te es­co­lhi­do, Jo­sé Ma­ria das Ne­ves. E o fa­to foi fla­gra­do pe­lo ser­vi­dor Fer­nan­do Lei­ser Ro­sa, pro­gra­ma­dor de in­for­má­ti­ca.

E Vil­las Bo­as, quan­do foi pa­ra o TRE, co­mo vi­ce de Lu­iz Ga­dot­ti em 2005, le­vou An­dréia co­mo Se­cre­tá­ria Ju­di­ci­á­ria do Elei­to­ral, on­de con­ti­nuou a ar­qui­te­tar dis­tri­bui­ções di­ri­gi­das, des­ta vez, a man­do de Si­quei­ra, pa­ra pre­ju­di­car seus ad­ver­sá­rios. Já que a es­co­lha dos ju­í­zes do TRE/TO era fei­ta pe­lo Pa­lá­cio Ara­gu­aia, à ex­ce­ção do ju­iz fe­de­ral (que sem­pre era o so­li­tá­rio vo­to di­ver­gen­te nos pro­ces­sos de in­te­res­se po­lí­ti­co).

Quan­do sur­giu o es­cân­da­lo da dis­tri­bui­ção des­se Man­da­do de Se­gu­ran­ça nº 2.185/04, o fa­to ser­viu pa­ra acha­rem um “bo­de ex­pi­a­tó­rio”: o ser­vi­dor Fer­nan­do Lei­ser Ro­sa, que des­co­bri­ra a frau­de e foi de­mi­ti­do. Foi des­sa for­ma que o de­sem­bar­ga­dor Jo­sé Ma­ria das Ne­ves foi “sor­te­a­do” re­la­tor do man­da­do de se­gu­ran­ça im­pe­tra­do por Dal­va Del­fi­no Ma­ga­lhã­es.

O fa­to – co­mo dis­se – foi cons­ta­ta­do pe­lo pro­gra­ma­dor de in­for­má­ti­ca Fer­nan­do Lei­ser Ro­sa, que, es­tan­do jus­ta­men­te acom­pa­nhan­do aque­la dis­tri­bui­ção, re­gis­trou e im­pri­miu as ten­ta­ti­vas da “dis­tri­bui­ção” fa­ju­ta.

Quan­do Fer­nan­do des­co­briu a far­sa das dis­tri­bui­ções, com as 92 ten­ta­ti­vas de dis­tri­bui­ção pa­ra que caís­se na re­la­to­ria do de­sem­bar­ga­dor Jo­sé Ma­ria das Ne­ves, o en­tão pre­si­den­te do tri­bu­nal, de­sem­bar­ga­dor Mar­co Vil­las Bo­as, cha­mou-o ao seu Ga­bi­ne­te e ame­a­çou-o de de­mi­ti-lo se di­vul­gas­se a tra­moia.

Mas Fer­nan­do não se in­ti­mi­dou, e o pre­si­den­te de­ter­mi­nou a aber­tu­ra do Pro­ces­so Ad­mi­nis­tra­ti­vo nº 34.833/2004, ins­ti­tu­in­do, pe­la Por­ta­ria 318/2004, uma Co­mis­são Sin­di­can­te sob a Pre­si­dên­cia do ju­iz Lu­iz Otá­vio de Quei­roz Fraz (ex-Ju­iz Au­xi­li­ar de Mar­co Vil­las Bo­as, con­ti­nu­an­do co­mo tal na ad­mi­nis­tra­ção Dal­va Ma­ga­lhã­es), co­me­çan­do o fei­to a tra­mi­tar em 13/12/2004. Co­mo a ges­tão Vil­las Bo­as es­ta­va no fi­nal (Dal­va, já elei­ta, as­su­mi­ria em 31/01/2005), dei­xou a he­ran­ça mal­di­ta pa­ra o ser­vi­dor que des­co­bri­ra to­da a frau­de. E com uma par­ti­cu­la­ri­da­de: in­ver­te­ram-se os po­los da ques­tão: Vil­las Bo­as co­lo­cou Fer­nan­do Lei­ser co­mo “hacker”, in­ver­ten­do os pa­péis: de he­rói (por ter des­co­ber­to o cri­me), pas­sou a acu­sa­do de ter in­va­di­do o sis­te­ma. Ora, se ele tra­ba­lha­va na pró­pria di­vi­são de in­for­má­ti­ca do Tri­bu­nal, não es­ta­va in­va­din­do coi­sís­si­ma ne­nhu­ma.

Is­so, ali­ás, foi o es­to­pim de uma dis­cus­são aca­lo­ra­da no Ple­no na Ses­são do dia 02/12/2004 (elei­ção de Dal­va Ma­ga­lhã­es), quan­do o de­sem­bar­ga­dor An­tô­nio Fé­lix, re­me­mo­ran­do o ca­so da dis­tri­bui­ção cu­jo ví­cio fo­ra des­co­ber­to por Fer­nan­do, foi se­gui­do pe­lo de­sem­bar­ga­dor Ama­do Cil­ton, que acu­sa­ram o Pre­si­den­te de pa­tro­ci­nar tal dis­tri­bui­ção. Is­to ren­deu aos dois de­sem­bar­ga­do­res (e tam­bém pa­ra mim, por ter si­do so­li­dá­rio a eles, ape­sar de tio-afim de Vil­las Bo­as) a Re­pre­sen­ta­ção nº 322-TO, as­si­na­da pe­lo de­sem­bar­ga­dor Jo­sé Ma­ria das Ne­ves, pro­to­co­li­za­da em 23/02/2005, mas o sub­pro­cu­ra­dor ge­ral da Re­pú­bli­ca Eu­gê­nio Jo­sé Gui­lher­me de Ara­gão, após lon­ga tra­mi­ta­ção, exa­rou seu pa­re­cer, em cu­jo fi­nal pe­diu o ar­qui­va­men­to da Re­pre­sen­ta­ção, o que se deu em 23/11/2009, por des­pa­cho do mi­nis­tro Fran­cis­co Fal­cão.

O pre­si­den­te da sin­di­cân­cia, ju­iz Lu­iz Otá­vio de Quei­roz Fraz, in­de­fe­riu pe­di­do de Fer­nan­do pa­ra ou­vir tes­te­mu­nhas e jun­tar do­cu­men­tos e pe­rí­cias.

Nes­se ín­te­rim, Fer­nan­do Lei­ser foi de­mi­ti­do ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, “a bem do ser­vi­ço pú­bli­co”, já na ges­tão Dal­va Ma­ga­lhã­es, pe­lo De­cre­to Ju­di­ci­á­rio nº 187/2005, pu­bli­ca­do no DJ nº 1.344/2005. Vol­tá­va­mos à Ida­de Mé­dia, em que os men­sa­gei­ros de más no­tí­cias eram mor­tos pe­lo des­ti­na­tá­rio.

Aí, Fer­nan­do Lei­ser im­pe­trou, em 29/03/2005, no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça o Man­da­do de Se­gu­ran­ça nº 3.217, “dis­tri­bu­í­do” pa­ra o de­sem­bar­ga­dor Lu­iz Ga­dot­ti, que, pre­vi­si­vel­men­te, ne­gou a li­minar. Mais de dois anos de­pois, em 19/05/2007, Ga­dot­ti en­trou de fé­rias, dei­xan­do já in­cluí­do na pau­ta o jul­ga­men­to de mé­ri­to do re­fe­ri­do MS. Foi sub­sti­tu­í­do pe­lo ju­iz Jo­sé Ri­ba­mar Mendes Jú­ni­or, que jul­gou ex­tin­to o man­da­do de se­gu­ran­ça ao fun­da­men­to de que, com a con­clu­são do re­fe­ri­do pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo, que re­sul­tou na pe­na de de­mis­são do recorrente, o “man­da­mus” te­ria per­di­do o seu ob­je­to

Di­an­te dis­so, atra­vés do ad­vo­ga­do Ro­nal­do An­dré Mo­ret­ti Cam­pos, Fer­nan­do ba­teu às por­tas do STJ, atra­vés do Re­cur­so em Man­da­do de Se­gu­ran­ça (RMS) nº 26.370-TO, que de­ter­mi­nou que fos­se apre­ci­a­do o mé­ri­to do man­da­do de se­gu­ran­ça, ou se­ja, re­co­nhe­ceu o cer­ce­a­men­to de de­fe­sa, em de­ci­são unâ­ni­me que se­guiu o vo­to do re­la­tor, mi­nis­tro Cas­tro Mei­ra.

Re­tor­nan­do do STJ, em 15/01/2010 foi en­ca­mi­nha­do ao Ga­bi­ne­te do Re­la­tor, Lu­iz Ga­dot­ti, que fi­cou com os au­tos até 14/06/2011, quan­do foi in­cluí­do em pau­ta.

Nes­se en­tre­meio, o Re­la­tor, tal­vez pa­ra ga­nhar tem­po por não sa­ber o que fa­zer, man­dou no­va­men­te os au­tos ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra emi­tir no­vo pa­re­cer. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que já ha­via opi­na­do pe­la con­ces­são da or­dem, man­te­ve o pa­re­cer an­te­ri­or.

No dia 11/07/2011, o pro­ces­so en­trou em pau­ta pa­ra jul­ga­men­to, e, co­mo da ou­tra vez, o de­sem­bar­ga­dor Ga­dot­ti, a exem­plo do jul­ga­men­to an­te­ri­or, “ti­rou o cor­po fo­ra” e fez-se sub­sti­tu­ir pe­lo ju­iz Ado­ni­as Bar­bo­sa da Sil­va, que (na­tu­ral­men­te dei­xan­do pron­to o vo­to), e, des­to­an­do do pa­re­cer mi­nis­te­ri­al, de­ne­gou de­fi­ni­ti­va­men­te a se­gu­ran­ça, no que foi se­gui­do pe­lo de­sem­bar­ga­dor Mar­co Vil­las Bo­as, co­mo cons­ta da ata.

Mais um ab­sur­do acon­te­ceu no pro­ces­so: co­mo Pre­si­den­te, Mar­co Vil­las Bo­as man­da­ra ins­tau­rar a sin­di­cân­cia pa­ra de­mi­tir Fer­nan­do Lei­ser, e quan­do de­ve­ria ter-se da­do por sus­pei­to ou im­pe­di­do, tam­bém vo­tou, so­man­do mais um vo­to con­tra Fer­nan­do Lei­ser. Tí­pi­ca pre­va­ri­ca­ção, que me­re­ce ser apu­ra­da. O im­por­tan­te era Fer­nan­do per­der a ação man­da­men­tal no­va­men­te, en­se­jan­do no­vo re­cur­so ao STJ

Já no dia 23/10/2011, Fer­nan­do Lei­ser vol­tou ao STJ com o re­cur­so Or­di­ná­rio em Man­da­do de Se­gu­ran­ça 3.217, pa­ra re­ver­ter a de­ci­são do Tri­bu­nal, que lhe fo­ra ma­dras­ta. No STJ to­mou o nú­me­ro 39.948 e foi pro­vi­do por de­ci­são mo­no­crá­ti­ca do re­la­tor, mi­nis­tro Na­po­le­ão Nu­nes Maia Fi­lho (pois o mi­nis­tro Cas­tro Mei­ra se apo­sen­ta­ra), no dia 20/06/2016, de­vol­ven­do o pro­ces­so à Cor­te to­can­ti­nen­se pa­ra cum­pri­men­to do acór­dão, uma vez tran­si­ta­do em jul­ga­do em 15/09/2016. O ca­so era tão evi­den­te, que foi de­ci­di­do mo­no­cra­ti­ca­men­te.

E nes­se ín­te­rim, inex­pli­ca­vel­men­te o de­sem­bar­ga­dor Lu­iz Ga­dot­ti ar­qui­vou os au­tos sem cum­prir a de­ci­são, le­van­do Fer­nan­do a re­que­rer ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te a exe­cu­ção do acór­dão do STJ, pro­to­co­li­zan­do o pe­di­do em que re­que­ria a anu­la­ção da de­ci­são da Presi­dên­cia que lhe apli­ca­ra a pe­na­li­da­de cons­tan­te do Pro­ces­so nº 04/0040084/7 (ADM 34833) e, por con­se­quência, o De­cre­to Ju­di­ci­á­rio nº 187/2005, pu­bli­ca­do no DJ nº 1344/2005, que o de­mi­ti­ra, “a bem do ser­vi­ço pú­bli­co”.

E após es­se pé­ri­plo de vai­véns TJ/STJ/TJ, fi­nal­men­te um pre­si­den­te sé­rio, de­sem­bargador Eu­rí­pe­des La­mou­ni­er, as­si­nou o De­cre­to Ju­di­ci­á­rio 35/2018, do dia 06 de fe­ve­rei­ro de 2018, em que de­cla­rou a nu­li­da­de do Pro­ces­so Ad­mi­nis­tra­ti­vo Dis­ci­pli­nar 34.833/2004, a par­tir da de­mis­são de Fer­nan­do Lei­ser, de­ter­mi­nan­do sua re­in­te­gra­ção ime­di­a­ta, qua­se quin­ze anos após sua in­jus­ta de­mis­são. O que, na­tu­ral­men­te, vai pro­pi­ci­ar-lhe re­ce­ber seus ven­ci­men­tos atra­sa­dos de exem­plar fun­cio­ná­rio con­cur­sa­do.

Va­mos ver se o pre­ju­di­ca­dís­si­mo Fer­nan­do Lei­ser vai fi­car ca­la­do, ou pro­ces­sar to­da es­sa tur­ma que o pre­ju­di­cou, pra­ti­can­do o tí­pi­co cri­me de pre­va­ri­ca­ção.

Por es­se fa­to, o lei­tor po­de con­clu­ir o por­quê de eu ter res­pon­di­do a 42 pro­ces­sos no CNJ/STJ e até ter si­do afas­ta­do des­de 2010, e apo­sen­tar-me sem pe­na­li­da­de al­gu­ma: nun­ca me cur­vei a fal­ca­tru­as e sem­pre quis um Ju­di­ci­á­rio sé­rio, mes­mo pre­gan­do no de­ser­to, e o lei­tor po­de mui­to bem ava­li­ar a car­ga que so­fri, pois se em ci­ma de um exem­plar ser­vi­dor fi­ze­ram is­to, ima­gi­nem em ci­ma de mim, que ti­nha um no­me e po­der de fo­go pa­ra com­ba­tê-los?!

_________________________________

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI – e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do. li­be­ra­to­po­voa@uol.com.br)

 

ASSUNTOS tjto desembargador

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.