Repercussão

Sobre Plansaúde, Sisepe cobra CPI na Assembleia, investigação no MPTO e auditoria do TCE

'As informações trazidas pelos áudios são muito graves', disse o representante sindical.

Por Redação
Comentários (0)

19/08/2019 20h13 - Atualizado há 1 mês
Sindicato quer investigação após denúncias de corrupção

O Sindicato dos Servidores Públicos do Tocantins (Sisepe) apresentou à imprensa medidas que serão adotadas em relação às denúncias de corrupção e cobrança de propina no fundo de assistência à saúde dos servidores públicos do Estado (Plansaúde) que viralizaram nas redes sociais durante o fim de semana. 

Em entrevista coletiva, realizada nesta segunda-feira (19), o sindicato disse que fará uma representação no Ministério Público que apure o suposto esquema de corrupção no Plansaúde e requereu à Assembleia Legislativa a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e, também, que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) faça uma tomada de contas especial no fundo.

"As informações trazidas pelos áudios são muito graves e precisam ser investigadas, estamos falando de um grande esquema de corrupção. O Sisepe não apontará culpados, pois não é o seu papel, mas continuará cobrando a melhoria da gestão do Plansaúde e a correta aplicação dos recursos do Funsaúde”, afirmou o presidente do sindicato, Cleiton Pinheiro.

SEM CONSELHO FISCAL

O sindicato disse que o Funsaúde – fundo do Plansaúde – está sem Conselho Fiscal constituído desde abril de 2018, quando a última gestão terminou.

"Estamos falando de um fundo de mais de R$ 300 milhões com denúncias de ilegalidades e sem o mecanismo primordial de fiscalização: o Conselho Fiscal. É uma situação que não pode ser aceita”, disse Pinheiro.

Na última sexta-feira, 16 de agosto, o sindicato informou a omissão numa petição juntada em um processo judicial que obrigou o Governo Estadual a designar os membros do Conselho Fiscal do Funsaúde.

USO DO FUNDO DE RESERVA

Conforme o Sindicato, o Conselho Fiscal, no parecer da prestação de contas anual do exercício de 2016, apontou atrasos nos repasses dos recursos retidos dos servidores e patronal (governo do Estado) e o uso da reserva do Funsaúde – que é de 20% - em outras áreas, que não eram relacionadas ao Plansaúde.

Em vista dos problemas detectados, o Conselho Fiscal fez diversas recomendações, entre elas o não uso da reserva, que deverá ser mantido para situações emergenciais e atípicas do Plansaúde, e o repasse em dia da contribuição dos servidores e patronal.

O Sisepe ressaltou a importância de que haja mais transparência na gestão do Plansaúde, desde o detalhamento das receitas, despesas, contratos no Portal da Transparência do Estado, onde hoje não constam informações sobre o plano de saúde, além da publicação de um cronograma de pagamento dos prestadores de serviços, inclusive os valores em atraso.

SERVIDORES NO COMANDO

O Sisepe defende que o Plansaúde seja gerido pelos sindicatos, ou seja, pelos representantes dos servidores públicos, os usuários do serviço, e não pelo Governo, como tem ocorrido desde a criação do plano.

“Os beneficiários do serviço serão os gestores do plano e temos experiências exitosas no Brasil, como o caso do plano de saúde dos servidores públicos estaduais do Mato Grosso do Sul”, finalizou Pinheiro.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.