Em Itapiratins

Sócios de banca de concurso e ex-presidente de Câmara Municipal são condenados por fraude

Um dos sócio-administradores da empresa tinha vínculo contratual com a Câmara.

Por Redação 2.816
Comentários (0)

27/05/2024 09h36 - Atualizado há 3 semanas
Concurso foi lançado pela Câmara de Itapiratins em 2015

Notícias do Tocantins -  Um ex-presidente da Câmara de Itapiratins (TO) e a banca organizadora do concurso da Casa de Leis lançado em 2015, bem como os dois sócios da empresa, foram condenados por improbidade administrativa. A sentença foi proferida pela juíza Luciana Costa Aglantzakis, da Comarca de Itacajá, na última sexta-feira (24/5).

A sentença fixou como pena uma multa no valor do dano - R$ 20 mil - acrescida de correção monetária pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e juros de mora de 1% ao mês desde a data do concurso. 

Os alvos (um ex-presidente do Legislativo, a empresa de consultoria de Silvanópolis e seus dois sócios) também tiveram os direitos políticos suspensos por um  ano.  

Eles ainda estão proibidos de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo mesmo período de tempo. O prazo de suspensão começa a ser contado a partir do trânsito em julgado. 

Na ação civil, o Ministério Público do Tocantins buscou responsabilizá-los por fraudes na realização do Concurso Público para provimento de vagas na Câmara Municipal de Itapiratins, no edital 001/2015.

Conforme a ação, a Câmara realizou concurso público para cargo que sequer existia na estrutura, pois não havia sido criado por lei, apenas previsto em resolução sobre o quadro de servidores comissionados. 

Outra irregularidade apontada é a nomeação de apenas uma servidora, em cargo comissionado, para a comissão de licitação que escolheu a empresa, na modalidade carta-convite.

Segundo a ação, um dos sócio-administradores da empresa tinha vínculo contratual com a Câmara Municipal, e exerceu o cargo de assessor jurídico da Câmara entre janeiro de 2015 e 21 de fevereiro de 2017. Os valores que ele recebia pela assessoria eram pagos na mesma conta da empresa que fez o concurso, conforme o processo.

A empresa recebeu R$ 15 mil do contrato mais R$ 5 mil de taxas de inscrição, sob a justificativa de realizar curso de treinamento, causando um prejuízo estimado de R$ 20 mil.

A sentença condenatória 

Ao analisar a ação, a juíza Luciana Costa Aglantzakis lembrou que a lei das licitações proíbe expressamente que a Comissão de Licitação seja composta integralmente por servidores não-estáveis. Também considerou que configura irregularidade um dos sócio-administradores da banca manter vínculo contratual com a Câmara Municipal na época do concurso.

Em outro ponto da sentença, a juíza destaca que todo Plano de Carreira e Remuneração (PCR) é criado por lei e regulamenta o conjunto de normas que regem a carreira dos profissionais de uma determinada categoria. Nesta condição, se trata de um "processo essencial que deve ser conduzido com rigor e transparência, observando as normas constitucionais e legais".

Para a juíza, ter feito licitação para cargos inexistentes na estrutura demonstra que no caso julgado não houve planejamento cuidadoso nem "marco regulatório claro para garantir um serviço público de qualidade". 

Cabe recurso ao Tribunal de Justiça.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.