Natureza

Tocantins é o 3º lugar no ranking de devastação do Cerrado, atrás apenas do Maranhão e Bahia

Desmatamento no Cerrado bate novo recorde no mês de setembro.

Por Redação 1.119
Comentários (0)

07/10/2023 09h20 - Atualizado há 7 meses
Em relação a setembro de 2022, o aumento da devastação foi de 89%.

Novos dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que o Cerrado sofreu o maior índice de desmatamento já registrado no mês de setembro. Foram 516,7 km² de vegetação nativa desmatados, superando a marca de 451,5 km², registrada em 2018. Em relação a setembro de 2022, o aumento foi de 89%. 

O movimento Coalizão Vozes do Tocantins por Justiça Climática reforçou o alerta realizado nos meses de janeiro e maio deste ano: o berço das águas do Brasil e da América Latina está em perigo. Os estados que registraram os maiores números de desmatamento foram o Maranhão (115,6 km²), a Bahia (90,5 km²), o Tocantins (83,6 km²) e o Piauí (47,8 km²), região conhecida também como fronteira agrícola do Matopiba.

Ainda que o desmatamento esteja em queda na Amazônia, no Cerrado o número é preocupante e registrado, sobretudo, em áreas privadas. Um dos fatores que colabora para o desmatamento é a falta de proteção legal no território. Em contrapartida, tramita na Câmara dos Deputados a PEC 504, que inclui o Cerrado e a Caatinga como patrimônio nacional, e é um passo inicial para o reconhecimento dos biomas e sua proteção. Paralelamente, também é construído o PPCerrado, Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado

Conforme o movimento Coalizão Vozes do Tocantins, apesar das boas notícias, as medidas estão muito atrasadas para a conservação do bioma, que é o segundo maior do Brasil, ocupa um quarto do território nacional, quase todo o território tocantinense e já tem mais de 50% de sua fauna e flora nativas devastadas pelas queimadas e pelo desmatamento.

O movimento reforçou sua preocupação na defesa, não só da biodiversidade e riqueza hídrica do Cerrado, mas também dos povos e comunidades tradicionais que habitam e protegem o bioma.

Vozes do Tocantins

A Coalizão é composta pelas organizações: Associação da Comunidade Remanescente de Quilombo Kalunga do Mimoso - Arraias (AKMT), Associação Centro Cultural Kàjre (povo Krahô), Associação Pyka Mex (povo Apinajé), Colônia de Pescadores/as de Araguacema-TO (Copesca), Cooperativa de Trabalho, Prestação de Serviços Assistência Técnica e Extensão Rural (Coopter), Escola Família Agrícola Bico do Papagaio Padre Josimo (EFA - Esperantina), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST - Tocantins), Associação Onça D´água de Apoio às Unidades de Conservação, Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários da Universidade Federal do Tocantins (UFT), curso de Turismo Patrimonial e Socioambiental da Universidade Federal do Tocantins - Campus Arraias, Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) e Núcleo de Estudos Rurais, Desigualdades e Sistemas Sociológicos (Neruds).

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.