Prevenção

Campanha Outubro Rosa e a luta das mulheres brasileiras contra o câncer de mama

A batalha contra a doença é diária e quanto mais cedo diagnóstico maiores são as chances de cura.

Por Gláucia Peixoto
Comentários (0)

09/10/2018 14h49 - Atualizado há 1 semana
O Outubro Rosa acontece neste mês

O Outubro Rosa chegou e com ele a necessidade social de prevenir o câncer de mama e também apoiar quem está na luta contra a doença, que é o segundo tipo de câncer que mais vitima as brasileiras.

Na verdade, a batalha contra a doença é diária e quanto mais cedo ocorrer o diagnóstico maiores são as chances de cura.

Nesse sentido, as mulheres que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS) encontram seu primeiro grande obstáculo, já que segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 66,2% das mulheres descobrem ou suspeitam da existência da doença a partir do autoexame das mamas.

Por um lado, o fato é positivo, pois mostra a atenção e cuidado da mulher com a própria saúde. Mas por outro lado, fica clara a ineficiência do SUS, uma vez que só é possível identificar nódulos com mais de um centímetro por meio do próprio toque, o que dificulta o tratamento.

Para a medicina, a mamografia pode detectar a doença em uma fase primária e mais possível de tratamento, contudo a lei brasileira só torna o exame obrigatório pelo SUS após os 40 anos de idade.

Outro problema grave é a dificuldade do tratamento tanto na fase cirúrgica quanto aos tratamentos com quimioterapia. Muitas pacientes têm seus procedimentos atrasados ou precisam viajar longas distâncias para realizar as sessões de quimioterapia.

Força e apoio nas redes sociais

Ao receber o diagnostico de câncer de mama, a reação da maioria das mulheres varia entre tristeza e desespero, situação que pode piorar ao longo do tratamento. Por isso, muitas pacientes buscam grupos de apoio, principalmente nas redes sociais.

Vários sites e blogs se especializam em motivação e troca de experiências entre pacientes. Dessa forma, muitas mulheres encontram nos grupos a força necessária para seguir e reencontram a alegria de viver.

“E fui conhecendo pessoas maravilhosas..... Cleide, Vera, Raquel, Marcia, e as pessoas mais lindas do planeta: Bia, Estela e Maria do Rosa mulher. Fui em outros grupos de apoio, mas no Rosa era como estar com minha família um local com muito amor e acolhimento, afeto”, afirma Valderez Mello Gonçalves sobre o grupo de apoio Associação Rosa Mulher.

No grupo, as mulheres trocam experiências e recebem apoio durante o difícil processo de tratamento.

Ana Furtado

Outro fato que chamou a atenção nesta fase do Outubro Rosa foi a emocionante participação da atriz Ana Furtado, no início de outubro, no programa ‘Mais Você, da TV Globo.

Ana Furtado revelou seu diagnóstico desde maio e, a partir de então, comove a muitos com seus relatos nas redes sociais. A atriz já passou por uma cirurgia e pela última sessão de quimioterapia, mas o tratamento só termina em dezembro.

Conte sua história

O ‘Sintonia Feminina’ gostaria de contar a história de mulheres do Tocantins que já passaram ou passam por essa doença e suas fases de tratamento.

Acreditamos que seus relatos podem ser luz para muitas mulheres que descobriram a doença e que podemos contribuir levando esperança e motivação para aquelas que enfrentam essa enfermidade. 

Comentários (0)

Mais Notícias

Comunicação

7 dicas infalíveis para perder o medo de falar em público e a insegurança

A comunicação está presente em todos os processos de nossas vidas desde o momento em que acordamos.

Cuidados com a saúde

Palavra de especialista: 10 dicas importantes para prevenir o câncer de mama

Doença representa quase 30% dos diagnósticos de cânceres por ano.

Eleições 2018

Olyntho faz reuniões em Arapoema, Barra do Ouro e finaliza campanha em Xambioá

O candidato visitou municípios do interior, apresentou propostas e afirmou que irá retribuir o carinho recebido.

Denuncie

Em briga de marido e mulher, é preciso sim meter a colher; veja como denunciar

No Tocantins, há uma rede de proteção para atender vítimas de violência doméstica. Denuncie através do 180 ou 190.

Economia

Quase 2,5 milhões de mulheres já desistiram de buscar empregos, segundo IBGE

Apesar das mudanças culturais, o cenário do mercado de trabalho para as mulheres persiste.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.