STJ

Pai é condenado a pagar indenização de R$ 30 mil à filha por causa de abandono afetivo

A criança que sofreu dano psicológico em razão do abandono.

Por Redação 1.337
Comentários (0)

13/04/2022 09h34 - Atualizado há 2 meses
Advogado especialista explica a decisão da Terceira Turma do STJ

Em uma recente decisão, a Terceira Turma do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) condenou um pai a pagar uma indenização no valor de R$ 30 mil à sua filha. A condenação se deu em razão do rompimento abrupto da relação de ambos quando a menina tinha apenas seis anos de idade. Nos autos do processo ficou comprovado, segundo laudo pericial, as consequências psicológicas e físicas sofridas pela filha em decorrência do abandono afetivo.

Apesar de ter ganhado projeção recente, o tema é constantemente analisado pelos tribunais. A decisão se dá, principalmente, pela obrigação de cuidado, independentemente do vínculo de sangue ou de convivência, onde os afetos são formados. Quando o dever de cuidado que todo adulto deve ter em relação a criança vem a ser descumprido, pode caracterizar dano, e esse dano pode ser indenizado de acordo com os artigos 186 e 927 do Código Civil.

A relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, pontuou que caso a parentalidade seja exercida de maneira irresponsável, negligente e nociva aos interesses dos filhos e caso essas ações ou omissões forem causadoras de traumas ou prejuízos comprovados, não há impedimento para que os pais sejam condenados a reparar os danos experimentados pelos filhos.

“O objetivo dessa reparação financeira visa compor e indenizar o patrimônio moral dessa criança que sofreu dano psicológico concreto, atestado por meio da prova pericial, ou seja, laudos psicológicos e certamente de psiquiatras que demonstraram que ela sofreu um trauma psíquico, inclusive com repercussões físicas”, explicou o advogado especialista em Direito das Famílias e Sucessões, Robson Tiburcio.

Nesse caso, a indenização por dano moral decorrente do abandono afetivo tem o papel de amenizar a omissão e a negligência do genitor, com o intuito de reparar o dano sofrido e ao mesmo tempo tem o papel de conscientizar e responsabilizar os pais pelos danos causados.

Robson Tiburcio ponderou que por se tratarem de situações pontuais e processos que correm em segredo de justiça, é necessário comprovar por meio de prova pericial que de fato houve uma vontade livre e consciente de romper esse vínculo.  “Não é a decisão que dá parâmetro para todos os outros casos, uma vez que as demandas de família correm em segredo de justiça, e nesses casos envolvendo criança e adolescente, é a situação específica que vai justificar se cabe ou não esse entendimento dos tribunais superiores”, enfatizou o advogado.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.