Natureza

Filhote de ariranha é resgatado por pescador no rio Tocantins; animal tem 52 centímetros

Filhote possui cerca de duas semanas a um mês de vida.

Por Redação
Comentários (0)

29/09/2020 14h29 - Atualizado há 3 semanas
O filhote é macho

Um filhote de ariranha com cerca de duas semanas a um mês de vida foi resgatado por um pescador no rio Tocantins, no município de Peixe, região sul do estado. Ele mede 52 cm da cabeça a ponta da cauda e o seu peso é de 1,2 kg.

Após o resgate, o filhote foi levado para uma clínica veterinária parceira do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) em Gurupi pelo Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA). De lá, seguiu para o Centro de Fauna do Tocantins (Cefau) do órgão em Palmas.

Os animais que chegam no Cefau recebem um nano chip, um procedimento padrão realizado em todos os animais que passam pela unidade. “É uma marcação individual, um número único que o identifica. Com o auxílio do leitor de microchip, esse animal poderá ser identificado ao longo da sua vida para que as informações não sejam perdidas como sua origem, sua idade, sexo, problemas de saúde, gestações, entre outros aspectos”, informou a médica veterinária do Naturatins, Grasiela Pacheco.

Nesta terça-feira (29), o filhote foi recebido no Parque Zoobotânico Vale (PSV) Carajás, em Parauapebas, no Pará. A viagem aconteceu com o monitoramento da bióloga do Naturatins, Samara Almeida, integrante do Projeto Ariranhas, uma Organização Não Governamental (ONG) formada por pesquisadoras e pesquisadores que trabalham ativamente em projetos voltados para a preservação da espécie no Brasil.

O PSV, novo lar do filhotinho, é mantido e administrado pela Vale e abriga exclusivamente espécies nativas da fauna e flora amazônicas. Está localizado dentro da Floresta Nacional de Carajás, em uma Unidade de Conservação Federal, e ocupa uma área de 30 hectares preservados.

Parque para onde o filhote foi destinado fica em Parauapebas

Resgate e atendimento

Os primeiros atendimentos são um dos fatores determinantes para o sucesso de um resgate, já que filhotes de mamíferos nascem desprovidos de defesa e são dependentes de cuidados parentais por longos períodos.

"Assim, os detalhes nos cuidados com a acomodação, que deve ser limpa, quente, ventilada, escura, os cuidados com a amamentação com baixa quantidade, alta frequência e com temperatura ideal do leite indicado e em posição anatômica correta e a aferição dos parâmetros fisiológicos para o monitoramento e intervenção médica veterinária quando necessária, formam os pilares da tríade ambiente, nutrição e saúde que resultam em qualidade de vida", enfatizou Grasiela.

Para a médica veterinária, não se trata de manter o animal vivo e sim de criar condições semelhantes às in natura para se tornar um indivíduo qualificado, equilibrado que mantenha as características naturais da espécie.

Pesquisa

A bióloga Samara Almeida realiza pesquisa sobre ariranhas desde 2013 quando iniciou seu mestrado em Ciências Biológicas – Biologia e Comportamento Animal (Zoologia), na Universidade de Juiz de Fora (UFJF). É licenciada em Biologia pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra) de Palmas. A pesquisa sobre o desenvolvimento da comunicação acústica de ariranhas analisa o comportamento da espécie no Parque Estadual do Cantão, localizado nos municípios de Caseara e Pium, e no Ribeirão Santa Luzia, no município de Porto Nacional.

O Naturatins é parceiro da pesquisadora, auxilia com a logística de transporte (empréstimo de embarcação, motor de popa e motor elétrico) além de alojamento.

Seu doutorado em Psicobiologia foi iniciado em 2018, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). “Ariranhas são animais sociais que vivem em grupos de dois a 16 indivíduos. No Tocantins, temos populações de ariranhas viáveis no rio Tocantins e seus afluentes e também no Parque Estadual do Cantão”, explicou a bióloga Samara.

Novo lar

A opção pelo deslocamento ao estado do Pará acontece porque não seria possível devolver o animal sozinho à natureza já que é um animal de grupo e a saída desta espécie da natureza é muito rara, por isso a opção de destinação ao cativeiro.

“Não sabemos quais foram os motivos desse filhote ter sido separado da sua família. As ariranhas vivem em grupos que cuidam e protegem os filhotes com excelência. A saída abrupta de um recém-nascido com os olhos fechados da toca e perda dos cuidados da mãe é gravíssima e o filhote poderá ter diversas patologias e vir a óbito”, explicou a veterinária Grasiela.

Por essa razão, segundo a veterinária, a preocupação em providenciar as condições adequadas para seu desenvolvimento saudável. “Os primeiros cuidados foram realizados e, após estabilizar o filhote, providenciamos o transporte com acompanhamento técnico. Para nossa felicidade, este lindo filhote encontra-se hígido, forte, mamando muito bem, vocalizando e sem outras alterações”, detalhou Grasiela.

Sobre a espécie

Espécie ameaçada de extinção, as ariranhas são animais consideradas bioindicadores ambientais, ou seja, vivem em locais preservados. Com a perda de qualidade e das condições ótimas do ambiente, não sobrevivem. Precisam de água limpa com fartura de peixes, abundância de vegetação ciliar para proteger suas tocas.

Possuem um corpo longo e pelagem densa, cauda robusta e achatada, que a auxilia na natação. Assim como a cauda, outras características auxiliam na natação, como as membranas interdigitais entre os dedos. Habitam ambientes de água doce, como rios, lagos e suas margens. Possuem hábitos diurnos e a dieta alimentar é carnívora: além de peixes, comem crustáceos, moluscos e pequenos vertebrados, como alguns mamíferos, aves e répteis.

Ele recebeu nano chip para monitoramento

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.