Líder quilombola é vítima de preconceito e intolerância de grupos políticos no Tocantins

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Dona Juscelina é uma líder quilombola em Muricilândia

A reta final da campanha eleitoral ao Governo do Tocantins ganhou um capítulo de preconceito, discriminação e intolerância religiosa, além de um péssimo exemplo de como não se deve fazer política. A vítima é Lucelina Gomes dos Santos, uma idosa de 88 anos, líder quilombola e devota do Divino Espírito Santo.

Dona Juscelina, como é conhecida, é neta de escrava e lidera uma comunidade com 263 famílias quilombolas em Muricilândia, norte do Estado, reconhecida desde 2007 pelo Governo Federal. A casa dela é uma referência e atrai muitos visitantes.

Nessa terça-feira (30), Dona Juscelina recebeu a visita do candidato a governador Vicentinho Alves (PR). A líder quilombola conversou, contou um pouco de sua longa história e rezou o Pai Nosso junto com o senador.

Em seguida, começaram a circular nas redes sociais fotos com comentários racistas e preconceituosos, inclusive compartilhados por figuras públicas como o vereador de Porto Nacional, Geylson Gomes. “Após reuniões em Muricilândia, candidato a governador Vicentinho Alves vai a terreiro de macumba pedir despacho para ganhar as eleições”, dizia o post.

Postagem do vereador de Porto Nacional

O comentário gerou revolta e repúdio da comunidade negra no Estado.

Prefeito lamenta

O prefeito da cidade, Alessandro Borges (PP) destacou que Dona Juscelina é uma referência e grande defensora dos direitos humanos, inclusive já reconhecida com o prêmio “Boas Práticas em Direitos Humanos do Tocantins”.

“É lamentável esse tipo de atitude e preconceito. Dona Juscelina é uma pessoa ilustre da nossa cidade. Intolerância religiosa e de qualquer natureza precisam ser banidas do nosso Tocantins e do Brasil”, lamentou o prefeito.

“A política passa. Os mesmos que estão atacando a Dona Juscelina amanhã estarão aqui pedindo a bênção dela. Todos os políticos que vem a Muricilândia passam primeiramente na casa da Dona Juscelina. Não é justo! Aqui é a casa de uma senhora, uma pessoa que cuida de mais de 263 famílias. Pedimos somente respeito a todos os quilombos do Tocantins”, desabafou Alessandro Borges.

A líder quilombola já recebeu visita até da Ministra de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Helena de Bairros, e de uma comitiva de Roma.

Dona Juscelina também realiza na cidade o Festejo da Abolição e coordena programas sociais em prol da comunidade negra.

Foto: Divulgação
Líder recebeu visita da ministra da Igualdade Racial

Dona Juscelina chora

Muito magoada e entristecida, Dona Juscelina chorou ao comentar o episódio de discriminação.

“Fui parteira durante 25 anos, sou amiga dos evangélicos e de todas as igrejas. Recebo qualquer um na minha casa. Fui quebradeira de coco, não mereço aguentar uma ‘defama’ desse jeito. Chamar eu de feiticeira, macumbeira… Estou muito sentida e derramando lágrimas. Meu Deus é aquele do Céu, que morreu na cruz por nós todos”, desabafou Dona Juscelina.

Foto: Divulgação
Quilombo da Dona Juscelina

Comentários pelo Facebook: