Operação da PF mira suspeitos de criar sites falsos para fraudar compras na internet

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Sede da PF em Araguaína

A Polícia Federal deflagrou na manhã dessa terça-feira (24) a Operação Dr. Cross, visando desarticular um grupo criminoso especializado em fraudes bancárias pela internet no Estado do Tocantins.

Mais de 54 policiais federais cumprem 23 mandados judiciais expedidos pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Araguaína, sendo 13 mandados de prisão preventiva, e 10 mandados de busca e apreensão.

A investigação teve início em decorrência da Operação Cracker, deflagrada em 2017 pela Delegacia de Polícia Federal em Araguaína. Perícias realizadas nos computadores apreendidos de dois investigados identificaram um rol de criminosos especialistas em fraudes via internet.

A prática consiste na fabricação de páginas falsas de internet, geralmente de grandes sites conhecidos do público. Os criminosos faziam inserção de anúncios de produtos com preços bem abaixo do mercado e o boleto gerado em decorrência da compra era direcionado para pagamento de compra de produtos em outros sites, e o envio de tais produtos era destinado aos integrantes do grupo criminoso.

Os criminosos devem responder pelos crimes previstos no anos artigo 154-A, artigo 155,§4º, artigo 171 e artigo 288 do CP tendo em vista indícios de atuação de diversas pessoas em atividade criminosa de furto mediante fraude pela internet contra instituições financeiras e comerciais, invasão de dispositivos de informática e estelionato cometidos em diversos estados.

O nome

O nome da operação faz referência ao apelido usado por um dos principais investigados em um grupo de Skype onde se reuniam com vários outros crackers.

Comentários pelo Facebook: