Sobral – 300×100
Seet

Prefeito de Bandeirantes diz que ex-servidora faz acusação ‘caluniosa’ e ‘omite’ verdade dos fatos

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Bandeirantes do Tocantins.

O prefeito de Bandeirantes (TO), José Mário Teixeira (PP) classificou como “caluniosas e dotadas de extrema má-fé” as denúncias de suposta perseguição política relatadas pela ex-agente comunitária de saúde do município, Neuzirene Barbosa Pereira. A ex-servidora afirmou que teria sofrido ameaças de exoneração por não ter apoiado o atual prefeito nas eleições 2016.

Em nota ao AF Notícias, assinada pelo procurador do município Antônio Neiva Rego Júnior, o prefeito afirmou nunca houve perseguição política ou abuso de poder, pois esse não é esse o “espírito” de sua gestão.

O gestor esclareceu que a ex-agente de saúde “omitiu” o fato de que não era servidora efetiva do Município. Segundo a nota, ela estava lotada nos quadros da Secretaria Municipal de Saúde através de um contrato temporário com duração de 36 meses, que terminou no último mês de março.

O prefeito afirmou ainda que a ex-servidora tinha plena ciência de que seu contrato possuía natureza temporária, pois estava claro no edital do Processo Seletivo Simplificado nº 001/2014, bem como no contrato de trabalho assinado pela ex-agente de saúde. “Não há qualquer ilegalidade praticada”, garantiu.

Quanto à denúncia de que o relógio de pontos teria sido retirado da Unidade de Saúde apenas para prejudicar a ex-servidora, o prefeito disse tratar-se de “mais uma gritante inverdade”. “O mesmo relógio serve para marcar ponto de todos os funcionários da unidade e não exclusivamente da ex-agente de saúde“, afirma.

A nota esclarece ainda que não houve renovação dos contratos dos Agentes de Saúde por necessidade de enquadramento da gestão ao orçamento disponível e à previsão legal. “A Administração Municipal de Bandeirantes se coloca à disposição de todos os órgãos de controle e fiscalização”, finalizou o prefeito.

Veja mais…

Agente de saúde denuncia prefeito de Bandeirantes por suposta perseguição política

Comentários pelo Facebook: