Projeto de lei

Câmara Municipal derruba veto de Dimas e reconhece atividades religiosas como essenciais

O projeto é de autoria do presidente da Câmara, Aldair da Costa, o Gipão.

Por Márcia Costa
Comentários (0)

04/08/2020 17h04 - Atualizado há 2 meses
Vereadores foram contra o veto integral do Prefeito

A Câmara Municipal de Araguaína derrubou, nessa segunda-feira (3), o veto do prefeito Ronaldo Dimas ao projeto de lei que reconhece a atividade religiosa como essencial para a população em tempos de crises ocasionadas por moléstias contagiosas ou catástrofes naturais, situações de calamidade pública, emergência, epidemia ou pandemia.

Na mensagem de veto, o prefeito reconhece a importância das igrejas e dos templos religiosos, mas afirma que a liberação poderia dificultar as ações de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e que não existe estudo científico que prove o contrário.

"Estou para defender um princípio que está acima de todos. Eu vivo o que prego e não mudarei meu pensamento por nada. Quando eu conheci a verdade, Deus me libertou. Sou a favor do projeto e a favor das igrejas. Onde muitos não encontraram a medicina, estão encontrando a glória", disse o vereador Wagner Enoque.

O projeto de lei é de autoria do presidente da Câmara, Aldair da Costa Sousa, o Gipão, e foi aprovado no final de junho. Segundo ele, o projeto é importante para que as igrejas não sejam afetadas, por exemplo, no caso de lockdown em Araguaína.

O vereador e pré-candidato a prefeito Marcus Marcelo afirmou que as igrejas são muitos importantes nesse momento de pandemia e as pessoas devem aprender a conviver seguindo as medidas de segurança para evitar o contágio do coronavírus. "As pessoas devem usar máscara, álcool em gel, respeitar o distanciamento social. Precisamos nos adequar a esse novo momento que estamos vivendo", justificou Marcus. 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.