Na Assembleia

Familiares de pessoas desaparecidas no Tocantins criticam descaso e cobram investigação

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

05/05/2017 15h32 - Atualizado há 1 semana
Um relatório contendo reclamações feitas por familiares de pessoas desaparecidas no Tocantins e sugestões apresentadas por deputados e autoridades será encaminhado para a Secretaria de Segurança Pública do Estado. O anúncio foi feito pela presidente da comissão temática, deputada Luana Ribeiro (PR), ao fim da audiência pública realizada na Assembleia Legislativa durante a tarde de quinta-feira (04), em resposta às cobranças por resultados. “Os trabalhos terão sequência”, garantiu a parlamentar. Isso porque a reunião começou com relatos de parentes de pessoas desaparecidas em que reivindicavam a assistência das autoridades. Autor do requerimento da audiência, o deputado Stalin Bucar (PPS) propôs a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para convocar delegados de polícia e dar uma resposta à sociedade. A proposta não foi unânime entre os parlamentares. Para o deputado Elenil da Penha (PMDB), não seria o caso de uma CPI, mas o de ouvir delegados e convidar o secretário estadual de Segurança Pública por meio da comissão. A deputada Valderez Castelo Branco (PP), por sua vez, sugeriu a criação de um comitê com a participação de outros órgãos e entidades da sociedade civil. Em resposta à crítica realizada por Elenil da Penha de que a Casa de Leis nada teria feito a respeito do assunto, Luana Ribeiro disse ter apresentado um projeto de lei que obrigaria sites de órgãos públicos a expor fotos de desaparecidos. A deputada afirmou ainda que o parlamentar Valdemar Júnior (PMDB) tentou o mesmo procedimento com as contas de água e luz, mas que ambos os projetos não obtiveram êxito na tramitação. Depoimentos Mães e familiares relataram histórias de dor e sofrimento na busca pelos entes desaparecidos. A professora Zulmira Gonçalves sofre  há 29 anos e cinco meses, a dor de não saber notícias do filho Sérgio Leonardo,  sequestrado em Porto Nacional/TO, com oito meses de vida. “Qualquer um que está aqui sentado pode passar por essa dor. É uma dor, é um luto inacabado e que não gostaria que ninguém passasse", destacou. Zulmira disse que o tráfico humano em quatro modalidades - para adoção, retirada de órgãos, prostituição ou trabalho escravo -, varia por período. "Sinto um luto inacabado por parte da Justiça, pelo descaso. O meu processo foi arquivado em 2007, lutei, estive na CPI de tráfico de pessoas, foi reaberto (em 2014), mas até agora está da mesma forma", desabafou. A avó de Laura Vitória Oliveira, 9 anos, desaparecida há mais de um ano em Palmas, dona Gilsandra Pereira de Oliveira pediu ajuda para encontrar Laura e parar o sofrimento da perda da neta a quem ele cuidava como filha. "Gente, me ajuda! Estou morrendo aos poucos por conta da minha filha", disse.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.